Polícia Civil e MP do Rio Grande do Sul deflagram operação para combater fraude em licitações, estelionato e agiotagem

Pessoas físicas e jurídicas investigadas já figuram como rés em aproximadamente 11 mil ações trabalhistas e geraram prejuízo de R$ 200 milhões em tributos devidos.

Do Rio Grande do Sul

Uma organização criminosa especializada em lavagem de dinheiro obtido por meio de fraude em licitações, estelionato e agiotagem foi alvo nessa quinta-feira (16) de operação conjunta do Ministério Público do Rio Grande do Sul (MPRS) e da Polícia Civil gaúcha. Para recuperar mais de meio bilhão de reais, a Justiça autorizou o bloqueio de 57 contas bancárias e a indisponibilidade de 38 imóveis avaliados. Foram cumpridos ainda 37 mandados de busca e apreensão em imóveis e empresas. Também foi expedida ordem para apreensão de 28 veículos, avaliados em R$ 4,1 milhões.

Segundo apuração da 8ª Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público de Porto Alegre, as pessoas físicas e jurídicas investigadas já figuram como rés em aproximadamente 11 mil ações trabalhistas e geraram prejuízo de R$ 200 milhões em tributos devidos.

A organização criminosa tem como núcleo uma família. Tanto o MP quanto a Polícia Civil não divulgaram nomes dos envolvidos. O grupo explora há mais de três décadas o mercado de prestação de serviços de vigilância patrimonial privada, limpeza e portaria em contratos com órgão públicos. Entre os crimes praticados destacam-se fraudes em execuções de contratos, dívidas trabalhistas e sonegação de tributos.

Para lavar o dinheiro sujo, os investigados contavam com sofisticado esquema para dissociá-lo de sua origem espúria. Foram identificados os seguintes negócios para dificultar a localização e recuperação dos recursos pelo Estado:

  • Abertura de contas em nome de terceiros.
  • Aquisição de veículos registrados em nome de laranjas.
  • Compra de imóveis de luxo com propriedade atribuída a pessoas da confiança dos protagonistas do esquema criminoso.
  • Compra de parte do passe de jogadores de futebol.
  • Investimentos na construção civil.
  • Investimentos em plantações de soja.

As ordens judiciais foram cumpridas em seis municípios: Porto Alegre, Cruz Alta, Xangri-lá, Capão da Canoa, Tramandaí e Tupanciretã. Ao todo, a Operação Succedere contou com o suporte de 140 policiais civis em 55 viaturas, 25 agentes e 10 viaturas do Ministério Público e dois auditores da Contadoria e Auditoria-Geral do Estado (Cage).

Foto: Divulgação/MPRS

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "Polícia Civil e MP do Rio Grande do Sul deflagram operação para combater fraude em licitações, estelionato e agiotagem"

  1. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

    SÓ TEMOS É QUE PARABENIZAR O MP E A PC GAÚCHA, POR TEREM PROCESSADO ESSES VÂNDALOS CRIMINOSOS!
    TODAS ESSAS FACÇÕES CRIMINOSAS, COMO TANTAS OUTRAS, EXISTENTES EM NOSSA NAÇÃO, DEVEM SER PENALIZADAS, DA MESMA FORMA.
    SÓ ASSIM, O NOSSO PAIS PODERÁ SER SALVO, SE TRANSFORMANDO EM UMA NAÇÃO RESPEITADA NO PLANETA TERRA!
    BRILHANTE ESSA MATÉRIA, COMO SEMPRE, NESSE PORTAL MAGNÍFICO!

Os comentários estão encerrados