GM e Volkswagen silenciam sobre contratação da Bonança

Condenada pela Justiça Federal do Rio Grande do Sul por formação de cartel no setor de transporte de veículos novos, a General Motors do Brasil preferiu não se manifestar sobre a contratação da empresa paulista Bonança Transportes Logísticas Importação e Exportação.

A montadora recebeu, em primeiro grau, aplicação de multa de R$ 250 milhões. Mas o MPF, autor da ação, quer que o TRF4, onde está o recurso, aumente a sanção para R$ 1 bilhão. Nesse processo, também foram condenados Luiz Moan Yabiku Júnior (ex-diretor da GM), Sindicam e ANTV, que teve sua extinção determinada pela Justiça Federal.

A Volkswagen, também citada no anúncio da venda de vagas e apontada como contratante da Bonança, não quis se manifestar. A informação foi dada pela própria assessoria de imprensa da montadora. A Volkswagen está em meio a um longo processo de cotação de preços (BID) para contratar transportadoras de veículos novos. O Ministério Público Federal de São Paulo está com sua lupa direcionada para o processo. Há dois anos, a Volks ensaiou procedimento semelhante, mas uma greve ilegal orquestrada pelo Sindicam abortou a intenção que, mais tarde, foi interpretada como um “golpe branco” no mercado.