Líder sindical denuncia manobra da organização criminosa que controla transporte de veículos novos

A retomada do modus operandi da organização criminosa (segundo a Polícia Federal) que se perpetua no controle do setor de transporte de veículos novos voltou a ser alvo de nova denúncia por parte do presidente do Sindicato dos Cegonheiros de Goiás (Sintrave-GO). Afonso Rodrigues de Carvalho reagiu com veemência às manifestações de “cegonheiros cooptados pela máfia, que querem a qualquer preço, impedir a livre concorrência”.

Magayver, alcunha pela qual o sindicalista e carreteiro é conhecido, afirmou que o cartel controlado pelos grupos Sada e Tegma, com o apoio incondicional de cegonheiros do Sindicato Nacional dos Cegonheiros (Sinaceg), deflagrou nova campanha com a proximidade da decisão da Volkswagen do Brasil. A concorrência interna realizada pela montadora poderá levar a contratação de transportadora não vinculada ao atual sistema.

De acordo com Magayver:

“Trata-se de campanha deflagrada principalmente por cegonheiros que foram cooptados pela máfia, oriundos do Paraná, Estado em que o Sinaceg tomou o sindicato regional de assalto por meio da cooptação de filiados. Já encaminhei todo o material que eles estão distribuindo pela rede social ao Ministério Público Federal, à Polícia Federal, ao Gaeco e à Justiça Federal.”

O líder sindical disse ainda, que em várias oportunidades, foi procurado por representantes do cartel:

“Esses cegonheiros cooptados fizeram proposta indecorosa para me aliar aos mafiosos. Sempre recusei, porque há muitos anos denuncio essa organização criminosa e, diferente de outros tantos, não mudarei minha posição firme, de combate ao cartel e em defesa da livre concorrência.”

Magayver relatu que em uma viagem ao exterior, a convite do consórcio da marca de caminhões Volvo, encontrou-se com um cegonheiros cooptado:

“Ele tentou me convencer várias vezes a ir para o lado do cartel, com promessa fantasiosa de que lá a gente ganharia muito dinheiro e que eu deveria passar o sindicato de Goiás para o controle do cartel. Se eu concordasse, ele mesmo intermediaria, junto ao pessoal do Sinaceg e das empresas do cartel, concedendo-me várias vagas e um bom valor em dinheiro. Está tudo registrado no Ministério Público Federal e na Polícia Federal.”

Agora, ainda segundo o líder sindical, estão fazendo nova campanha com o único propósito de intimidar a montadora Volkswagen com afirmações mentirosas.

“É o mesmo modus operandi de sempre. O cartel não aceita perder espaço para qualquer empresa que não esteja alinhada e usando a mesma política nefasta para o mercado e para a economia. Quanto às acusações inverídicas feitas à minha pessoa, posso colocar meu sigilo bancário e patrimonial à disposição das autoridades. Mas duvido que eles façam o mesmo.”

E concluiu: “Este é o mesmo sistema sujo de impor medo às montadoras, a exemplo do que aconteceu na Iveco.”

Na foto, Magayver aparece entreguendo ao Ministério da Justiça um dossiê com todas as ações criminosas praticadas pelo cartel.