Mobilização de cegonheiros pernambucanos já dura mais de 170 dias

Por trás da desavença entre sindicalistas pernambucanos está a disputa pelo transporte da produção da montadora Fiat/Jeep, instalada no município de Goiana. Todos os automóveis fabricados naquele Estado pela Fiat/Jeep são escoados pela Sada Transportes e Logística. A empresa mineira é investigada pelo Ministério Público Federal (MPF) e Polícia Federal (PF) por formação de cartel no setor.

Sindicalistas e políticos de Pernambuco também acusam a montadora italiana de descumprir  normas previstas no Programa de Incentivo Fiscal do Setor Automotivo de Pernambuco (Prodeauto). Segundo eles, para receber incentivos fiscais do governo do Estado, a Fiat/Jeep se comprometeu a contratar cegonheiros de Pernambuco para escoar a produção de veículos fabricados na unidade instalada no município de Goiana. Em vez disso, a montadora entregou a totalidade dos fretes de veículos novos a empresas mineiras e paulistas ligadas ao cartel dos cegonheiros.

Natal e Ano Novo no acostamento

Para pressionar governo estadual e montadora, sindicalistas pernambucanos deflagraram mobilização em 31 de julho de 2017. Movimento completou nesta semana 170 dias de duração. Os manifestantes comemoraram o Natal e a virada do ano em frente à fábrica da Fiat (foto de abertura), onde estão desde 28 de agosto. A manifestação não impede o acesso à fábrica.

Conforme José Milton de Freitas, líder dos manifestantes, a mobilização é para chamar a atenção das autoridades e da população para o cumprimento da Lei:

“Essa resistência tem sido o grito de socorro de um povo que não suporta mais a corrupção que tomou o país. É o grito de pedido de respeito. É a forma única de dizer que é preciso ter raça, ter gana, sempre!
As leis existem para serem cumpridas. As reivindicações dessa categoria são legítimas e para a verdade não existe argumento.”