Polícia Federal conclui inquérito sobre a venda de registros sindicais no Ministério do Trabalho. Organização criminosa contava com a participação de 39 pessoas

A partir de revelações e provas reunidas pelo presidente dos Sindicatos dos Cegonheiros de Goiás (Sintrave-GO), Afonso de Rodrigues Carvalho, a Polícia Federal começou a investigar, há mais de um ano, a venda de registros sindicais no Ministério do Trabalho. Na terça-feira (21), a PF concluiu o relatório final da Operação Registro Espúrio, deflagrada em maio.

Segundo o inquérito, revelado pelo jornal O Globo, 39 pessoas integravam uma organização criminosa com o objetivo de aprovar registros mediante pagamento de propina de interessados em legalizar a situação de entidades sindicais.

Outros crimes apontados pela investigação, como os de corrupção, serão apurados em inquéritos derivados da Operação Registro Espúrio.

Entre os apontados pela PF de integraram a organização criminosa estão:
– Helton Yomura, ex-ministro do Trabalho. Ele é apontado pelos investigadores de ser testa-ferro da deputada Cristiane Brasil.
– Cristiane Brasil, deputada federal (PTB-RJ)
– Roberto Jefferson, presidente nacional do PTB e pai de Cristiane
– Paulinho da Força, deputado federal (SD-SP)
– Jovair Arantes, deputado federal (PTB-GO)
– Wilson Filho, deputado federal (PTB-PB)
– Nelson Marquezelli, deputado federal (PTB-SP)

Em nota, todos os envolvidos negaram participação no esquema. Com a conclusão do inquérito, a Procuradoria-Geral da República poderá oferecer denúncia se entender que os indícios justificam a responsabilização criminal dos apontados como responsáveis. Se a PGR denunciar e a Justiça aceitar a denúncia, eles viram réus em ação penal.

 

Crédito da foto: Divulgação/Polícia Federal