Cartel censura Jaguar, Land Rover e Mitsubishi. Montadoras silenciam

Três marcas de automóveis com fábricas instaladas em território nacional foram censuradas pelo cartel, com o apoio do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). Calaram-se, aceitando passivamente a ordem imposta pela Brazul Transporte de Veículos, em nome da Sada Transportes e Armazenagens. No inquérito administrativo que investiga formação de cartel, em andamento no órgão antitruste, as montadoras responderam de forma transparente, garantindo acesso público às informações. No entanto, tuteladas por uma das empresas acusadas de participação no cartel dos cegonheiros, tiveram seus dados levados ao “apartado de acesso restrito”, a pedido da Brazul.

Numa absoluta submissão à transportadora de propriedade de Vittorio Medioli (dono do grupo Sada e atual prefeito de Betim-MG), as montadoras preferem não medir forças e acatar a determinação.

Questionadas pelo site Livre Concorrência, a Mitsubishi limitou-se a informar:

“Em que pese não tenha solicitado a concessão de tratamento de acesso restrito aos documentos apresentados, o setor jurídico da HPE (controladora da montadora) entende que não lhe cabe adotar nenhuma medida quanto à manifestação apresentada pela empresa em questão (a Brazul).”