Cegonheiros-empresários pressionam motoristas para participar de mobilização na Chery. Como recompensa sobem 10 posições na fila para carregar

Cegonheiros-empresários agregados às transportadoras Brazul (de propriedade do grupo Sada) e Tegma estão conseguindo 10 posições na fila de carregamentos de veículos novos. O prêmio é concedido pelo Sindicato Nacional dos Cegonheiros (Sinaceg) aos carreteiros que participarem efetivamente da mobilização que desde o dia 8 deste mês ocorre nas proximidades da montadora Caoa-Chery, localizada na cidade de Jacareí, interior paulista. Motoristas são pressionados para que estejam presentes no movimento. O whatsapp é o meio de comunicação mais utilizado pelos empresários contrários à livre concorrência no setor. O site Livre Concorrência teve acesso a dezenas de mensagens, incluindo áudios.

Em uma das mensagens (imagem acima) a informação é precisa:

“As frotas que forem sem punição ganham 10 posições na fila principal de são Bernardo. Essas frotas poderão aguardar transferência para Taubaté até as 18hs do dia que pegar. Caso não tenha transferência, essas frotas deverão se dirigir a Jacareí vazias e se apresentar na fábrica da Chery às 6hs e permanecer até as 18hs do mesmo dia. Após o término, essas frotas poderão se dirigir para a base de são José dos Campos e aguardar transferência para São Bernardo.”

Esse é o teor da mensagem divulgada por rede social entre cegonheiros-empresários filiados ao Sindicato Nacional dos Cegonheiros (Sinaceg). A mensagem, conseguida com exclusividade pelo site Livre Concorrência, mostra o prêmio concedido aos chamados “frotistas” que participarem da mobilização orquestrada por integrantes do cartel contra a nova transportadora contratada pela montadora no interior de São Paulo.

Mesmo obtendo “benefícios” na participação do movimento em frente à fábrica da Chery, há cegonheiros-empresários descontentes. Numa mensagem recebida pelo Livre concorrência, o autor questiona:

“Quando teve na VW não teve nenhum benefício. Não tô entendendo porque isso, mas tudo bem né?”

Noutra mensagem, consta:

“Fora todos esses benefícios que serão dados aos motoristas e frotas que participarem da greve, qual seria o benefício que a Chery vai dar à linha TVL Sul?”

Sinaceg continua dando as cartas
Apesar de ter sido condenado em primeira instância pela Justiça Federal do Rio Grande do Sul por participação ativa no chamado cartel dos cegonheiros, o Sinaceg continua dando as cartas junto às transportadoras dos grupos Sada e Tegma. Os benefícios concedidos a quem participa da mobilização nas proximidades da montadora Caoa-Chery são ofertados pelas chamadas comissões de carreteiros, controladas por diretores da entidade.

Nessa semana, foi divulgada a lista das frotas que deveriam estar em Jacareí:

“Frotas que foram indicadas para comparecer segunda-feira, 22/10/2018: 54806 e 54835: 23/10/2018: 54909, 54903, 54846 e 54793; 24/10/2018: 54814, 54806 e 54835.”

Motoristas reclamam da pressão e cobram direitos trabalhistas
Descontentes frente às ameaças de perderem o emprego, caso não participem da mobilização, alguns motoristas de cegonheitros-empresários integrantes do cartel aproveitaram para reclamar das condições de trabalho a que são submetidos. Em áudios recebidos pelo site Livre Concorrência, alguns argumentam que sequer têm carteira assinada:

“Não temos nem salário fixo, plano de saúde ou qualquer outro benefício e ainda por cima, somos obrigados a sair em defesa dos interesses dos patrões.”

Também cobrou dos demais “colegas” a necessidade de organização de um sindicato sério capaz de defender os direitos dos motoristas. Segundo o áudio recebido pelo Livre Concorrência, há motoristas (não frotistas) que defendem a possibilidade de buscarem emprego na nova empresa, a Transportes Gabardo:

“Lá, quem sabe?, poderemos trabalhar com todas as garantias trabalhistas e com plano assistencial para a família, coisa que aqui não temos há anos.”