Sindicalista do Espírito Santo foi assassinado a mando das transportadoras ou por desafetos da entidade, disse delegado

O presidente do Sindicato dos Cegonheiros do Espírito Santo, Ivan Demarch Tavella, foi assassinado em 20 de novembro de 2011. O crime jamais foi esclarecido. O delegado Josafá da Silva, da Delegacia de Crimes contra a Vida, responsável pela investigação realizada naquele ano, não descartou a ligação do homicídio com os caminhões-cegonha incendiados na mesma época. Ele chegou a afirmar que o crime fora encomendado.

“O assassinato tem características de execução. É crime de mando. A vítima foi executada a mando das transportadoras ou por desafetos do sindicato.”

Tavella foi executado com dois tiros na cabeça. A Polícia até distribuiu retrato falado dos assassinos, mas ninguém foi preso. Quatro dias antes de ser assassinado, o líder sindical teve seu caminhão-cegonha incendiado criminosamente.

À época, a suspeita era de que o crime estava vinculado à disputa pela prestação de serviço no setor de transporte de veículos novos no Espírito Santo. O delegado pediu e a Justiça concedeu o direito de fazer a investigação em sigilo.

O delegado reiterou:

É uma briga de cachorro grande e está mais do que claro que foi crime de mando.”