Dirigentes sindicais apoiados pela Sada e Fiat/Jeep em Pernambuco estão proibidos pela Justiça de representar cegonheiros

Justiça do Trabalho de Pernambuco impõe mais uma derrota a dirigentes sindicais apoiados pela Sada Transportes e Armazenagens, de propriedade de Vittorio Medioli – político e empresários de Minas Gerais investigado e indiciado pela Polícia Federal por chefiar organização criminosa que atua em todo o país no setor de transporte de veículos novos. O juiz Guilherme de Morais Mendonca, titular da 1ª Vara do Trabalho de Goiana (PE), decretou a nulidade da assembleia-geral extraordinária que elegeu de forma fraudulenta diretoria do Sindicato dos Cegonheiros de Pernambuco (Sintraveic-PE). A Sada opera na fábrica da Fiat/Jeep, em Goiana (PE).

A sentença, proferida em 22 de maio, foi além. O magistrado também determinou que os réus Luciano Pontes, Edson Aleixo Barros, Guilherme de Melo, Ademilson da Silva, Ismael da Silva, Elinando da Silva, Lúcio Soares, Silvone Lagos Gilbraz de Souza. Maricelio da Silva, Geraldo da Silva e Nielson Farias não mais representem a cetegoria dos cegonheiros naquele estado.

“Determina-se que a parte ré se abstenha de agir ou praticar qualquer ato de qualquer natureza em nome da categoria, sob pena de multa diária de R$ 10.000,00 (dez mil reais), limitada a 30 dias.”

Os réus condenados integram a diretoria de outra entidade – o Sindicato dos Cegonheiros de Goiana (Sintrago). Em maio de 2018, o juiz Virgílio Henriques de Sá Benevides, titular da 2ª Vara do Trabalho de Goiana (PE), já decidira pela extinção do Sintrago, ao constatar o uso de documentos fraudados para dar aparência de legalidade à criação do sindicato. Para o magistrado, houve má-fé processual no ato.

Em janeiro de 2019, o mesmo juiz Virgílio Henriques de Sá Benevides, titular da 2ª Vara do Trabalho, destituiu a diretoria do Sintraveic eleita de forma fraudulenta. Os réus recorreram.

Nessa decisão, o juiz também determinou “o imediato retorno da diretoria anteriormente eleita para o quinquênio 2016/2021, presidida por José Milton de Freitas”.

O atual presidente do Sintraveic, José Milton de Freitas, no âmbito da operação Registro Espúrio, revelou que Vittorio Medioli é o responsável pelo pagamento de R$ 10 milhões a servidores do Ministério do Trabalho e Emprego para conseguir a liberação da carta sindical do Sintrago. Segundo Freitas, o uso de propina para criação de mais uma entidade sindical subordinada ao cartel dos cegonheiros foi informada por Roberto Augusto, fundador e ex-presidente do sindicato dos cegonheiros de São Paulo (Sinaceg) e de outros sindicatos regionais, a exemplo do Sintravers, no Rio Grande do Sul. Em nota, Sada esclareceu que só trata com sindicatos de forma institucional.

Carnaval da impunidade
O mesmo Sintrago homenageou no Carnaval de Pernambuco deste ano o dono do grupo Sada, Vittorio Medioli. O chamado bloco dos cegonheiros percorreu algumas ruas de Recife, em Pernambuco, na noite de 28 de fevereiro. Medioli até virou um daqueles bonecos gigantes tradicionalmente manufaturados em Olinda. Os integrantes usavam camisetas com a logomarca do sindicato já fechado pela Justiça. Alegorias (foto de abertura) traziam estampadas o texto “obrigado, Sada”.