Político e empresário mineiro não comparece à audiência e juiz extingue queixa-crime contra editor do site Livre Concorrência

A última das sete queixas-crime ajuizadas pelo político e empresário Vittorio Medioli e seu conglomerado de empresas contra o editor do site Livre Concorrência, jornalista Ivens Carús, foi arquivada nesta semana por ordem do juiz Márcio André Keppler Fraga, titular do Juizado Especial Criminal do Foro do 4º Distrito de Porto Alegre. A justificativa do magistrado foi a ausência de Medioli à audiência. O magistrado escreveu:

“Ante a falta de qualquer documento que pudesse comprovar o compromisso profissional do querelante (Medioli), que o impediu de comparecer à audiência designada, estou acolhendo o parecer ministerial de folha 101 e julgo extinto o feito, por força da perempção.”

Medioli, apontado em inquérito da Polícia Federal como o chefe da organização criminosa que controla o setor de transporte de veículos novos em todo o país, ajuizou queixa-crime, acusando o editor do site de promover calúnia e difamação, não só a ele como também às empresas Sada, Transzero, Dacunha e Brazul. O portal vem divulgando o andamento de ações dos órgãos públicos competentes, no combate ao chamado cartel dos cegonheiros, o que vem desagradando o atual prefeito de Betim (MG) e proprietário do grupo Sada.

Anteriormente, o juiz Fraga havia declinado da competência e encaminhou a queixa-crime para o Foro Central da capital gaúcha. Em maio deste ano, a juíza Carla Fernanda de Cesaro Hass, titular da 8ª Vara Criminal, rejeitou a queixa-crime movida pelas empresas, acompanhando a manifestação do Ministério Público. Ela determinou o encaminhamento da parte do autor Vittorio Medioli de volta para o Juizado Especial Criminal. A decisão de extinção ocorreu no último dia 13. Recurso protocolado pelos advogados do político e empresário deverá ser encaminhado para as Turmas Recursais.