Crescimento de 0,92 ponto percentual sobre participação do cartel levou independentes a faturarem R$ 46,6 milhões a mais

Os dados revelados pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) levam a outras conclusões: as chamadas transportadoras independentes (não-alinhadas à associação criminosa que controla o setor de transporte de veículos novos) aumentaram a participação no mercado em 0,92 ponto percentual. Esse número, apesar de parecer mínimo, trouxe junto um aumento no faturamento da ordem de 12,5%, o equivalente a R$ 46,6 milhões a mais do que em 2018.

A participação no mercado bilionário das transportadoras independentes passou de 6,37%, em 2018, para 7,29%, registrado em dezembro do ano passado. O percentual também revela que o cartel dos cegonheiros mantêm sua participação nacional em 92,71%, o que poderá ser alterado a partir da decisão do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) que deverá ser tomada no âmbito do inquérito administrativo que investiga, junto com o Gaeco e a Polícia Federal, crimes contra a livre concorrência.

Em 2019, segundo levantamento feito pelo site Livre Concorrência, a partir dos emplacamentos e do valor médio da venda dos automóveis e comerciais leves, as transportadoras independentes tiveram um faturamento de R$ 416,7 milhões, o que equivale a 5,06% dos R$ 8,2 bilhões pagos às integrantes do cartel dos cegonheiros. A cifra representa 12,6% do ágio cobrado pelo cartel dos cegonheiros, que chegou ao R$ 3,2 bilhões. Os números mostram que o mercado de transporte de veículos novos no Brasil, alcançou, em 2019, R$ 8,6 bilhões, sem serem computados os dados referentes às exportações.