Especialista espera “mão forte” do Cade para rejeitar ato de concentração que poderá dar mais poder à Brink’s

O plenário do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) deverá atuar com “mão forte” ao apreciar o ato de concentração que prevê a compra da Tecnoguarda pela Brink’s, uma das gigantes do transporte e custódia de valores no país. Essa é a opinião de um especialista consultado pelo site Livre Concorrência.

O ato de concentração será apreciado na sessão desta manhã (quarta-feira,19). Segundo previsão da fonte, embora com integrantes recém-nomeados, o plenário já se familiarizou com o funcionamento do mercado de transporte de valores no país, que vem sendo tratado há muito no âmbito da autoridade antitruste. As preocupações do Cade com o setor, sobretudo em relação à operação da Brink’s, ao que tudo indica, deverão impor restrições.

A compra de caminhões e de clientes por parte da Brink’s, por meio de aquisições, serve apenas para aumentar seu poder de concentração no mercado e reduzir a capacidade dos concorrentes, principalmente no estado do Mato Grosso. A diminuição do ambiente concorrencial traz significativos prejuízos não só à economia, mas também ao consumidor do segmento, conforme esclareceram ao Cade, por ofício, vários usuários do serviço de transporte de valores.