Renault registra prejuízo em 2019. No Brasil, montadora francesa pagou quase R$ 1 bilhão para o cartel dos cegonheiros

A montadora francesa Renault acumulou um prejuízo líquido de 141 milhões de euros em 2019. A receita da indústria caiu 3,3%, informou o jornal Valor Econômico. O lucro operacional do grupo diminuiu 29,5%, para 2,15 bilhões, enquanto a contribuição de empresas associadas passou de 1,54 bilhão de euros para um resultado negativo de 190 milhões de euros.

No caso da japonesa Nissan, parceira da Renault, a contribuição passou de 1,51 bilhão de euros em 2018 para 242 milhões de euros em 2019. Segundo os analistas do Jefferies, a contribuição da montadora japonesa no ano foi “expressivamente pior do que era esperado”, informou Raquel Brandão, do Valor Econômico.

No Brasil, Nissan e Renault pagaram ao cartel dos cegonheiros quase R$ 1 bilhão pelo transporte de veículos novos no ano passado. Desse montante, mais de R$ 362 milhões referem-se a ágio cobrado pela organização criminosa que controla o setor – segundo revelado em inquéritos e cálculos da Polícia Federal, Ministério Público do Estado de São Paulo (Gaeco) e Conselho Administrativo de Defesa Econômica, o Cade, que está investigando práticas de infrações à ordem econômico em inquérito administrativo.Ao Ministério Público do Rio de Janeiro, a Nissan afirmou que não contrata outros transportadores por temer a reação violenta dos atuais prestadores de serviços. Eles são do Sinaceg e de empresas dos grupos Sada e Tegma.

O prejuízo só não foi maior porque o sobrepreço é integralmente repassado para o consumidor,