BF Transportes é surpreendida e condena uso indevido do nome da empresa em ação judicial

A BF Transportes, que desde 22 de outubro de 2004 se desligou da ANTV, mostrou-se surpresa ao tomar conhecimento do uso do nome da empresa na petição contendo informações falsas protocolada pela entidade no Superior Tribunal de Justiça (STJ). De acordo com o superintendente da empresa mineira, que mudou de ramo desde que houve o rompimento do contrato de transporte de veículos com a Fiat Automóveis, em 1999, ainda não está decidido que medidas poderão ser adotadas nesse caso. O advogado Luiz Prado Vieira responde pela empresa na ausência do proprietário Felice Besenzoni, que está na Itália e não pode retornar ao Brasil por causa da pandemia do Coronavírus.

Captura de Tela 2020-05-11 às 17.54.55

Esta é a segunda vez que a BF é surpreendida. Na correspondência (imagem acima) encaminhada à ANTV há quase 16 anos, Besenzoni assegura:

“Fomos surpreendidos pelo pedido de desligamento simultâneo das associadas da ANTV durante assembléia-geral extraordinária de 30/09/2004, para a qual não fomos convocados em tempo hábil para comparecimento. Diante disto, como não há associação de apenas uma parte, apresentamos também o nosso pedido de desligamento, valendo esta como notificação, produzindo efeitos a partir da data da AGE.”

A BF Transportes acionou judicialmente a Fiat Automóveis pelo rompimento unilateral do contrato de prestação de serviços na área do transporte de veículos, cobrando indenização a título de lucros cessantes. A ação teve desfecho que 9 de junho de 2016, quando a 1ª Vara Cível de Betim (MG) homologou acordo entre as partes. O valor do acordo não foi divulgado. Vieira prometeu responder às questões formuladas em correspondência eletrônica pelo site Livre Concorrência a respeito das medidas a serem adotadas pela BF até o final da tarde de ontem, o que não aconteceu.