Investigadores começam a analisar laudos da perícia realizada em pátio onde 85 veículos novos e 25 caminhões-cegonha foram incendiados

Investigadores já estão com os laudos da perícia que analisou as provas recolhidas em incêndio que destruiu 85 veículos novos e 25 caminhões-cegonha em pátio usado pela transportadora Brazul, em São Bernardo do Campo. A empresa pertence ao grupo Sada, cujo dono é o político e empresário Vittorio Medioli.

Testemunhas também estão sendo ouvidas nesta fase do inquérito. Em nota, a Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo informou:

“O caso é investigado pela Delegacia Especializada de Investigações Criminais (Deic) de São Bernardo do Campo, que instaurou inquérito policial. A unidade está ouvindo testemunhas e analisa o resultado dos laudos periciais. Diligências estão em andamento
para esclarecer os fatos.”

Os veículos foram queimados na madrugada de 26 de fevereiro. O Corpo de Bombeiros do Estado de São Paulo identificou indícios de que o incêndio foi criminoso.

Especula-se que os ataques estão ligados a uma represália de cegonheiros afastados das transportadoras Tegma e Brazul. Os crimes também podem estar vinculados a uma disputa interna no Sindicato Nacional dos Cegonheiros, o Sinaceg (ex-Sindicam). O Ministério Público de São Paulo acompanhará os trabalhos.