Alinhamento da Fiat-Jeep ao cartel exclui cegonheiros do Sintraveic dos fretes

Executivos da fábrica da Fiat-Jeep, localizada em Goiana (PE), impedem  associados ao Sindicato dos Cegonheiros de Pernambuco de transportar os veículos produzidos na unidade, inaugurada em 2015. A ação faz parte do alinhamento incondicional da montadora ao chamado cartel dos cegonheiros, liderado pela Sada Transportes e Armazenagens, em conluio com a Tegma Gestão logística.

Publicidade: confira aqui o conteúdo do site Debate Jurídico

Há quase cinco anos, os associados ao Sintraveic-PE lutam para fazer parte do escoamento da produção da Jeep, que entregou a totalidade do transporte dos veículos fabricados em Goiana a cegonheiros-empresários paulistas e mineiros. A decisão de apoiar incondicionalmente o cartel dos cegonheiros, por parte da FCA-Fiat-Jeep, só no primeiro trimestre deste ano, causou um prejuízo de R$ 143,1 milhões aos compradores de veículos da marca. No ano passado, esse valor superou a marca dos R$ 685,4 milhões aos quase 500 mil clientes. O montante se refere ao ágio cobrado pelas empresas integrantes do cartel. O sobrepreço chega a 40%, segundo investigação da Polícia Federal, Gaeco e Cade, no âmbito da Operação Pacto. A exemplo da FCA-Fiat-Jeep, a maioria das montadoras se nega a falar sobre o esquema que prejudica os próprios clientes, que acabam arcando com o prejuízo, sem tomar conhecimento, uma vez que o valor cobrado a título de frete está incluído no preço final dos veículos.