Uso de dinheiro em espécie cresceu 25% com aumento de casos de Covid-19

Levantamento realizado pela Tecban revelou que o volume de dinheiro sacado nos caixas eletrônicos da rede Banco24Horas cresceu 25% entre abril e julho. O aumento nas transações coincide com o avanço da pandemia de Covid-19 no Brasil. Foram registrados 180 milhões de transações (saques, extratos e transferências) nos cerca de 23 mil caixas eletrônicos da rede nos últimos quatro meses.

Publicidade: confira aqui o conteúdo do site Debate Jurídico

As informações mostram que o isolamento social e a crise econômica reforçam a importância da distribuição rápida e eficiente do dinheiro em espécie. Jaques Rosenzvaig, diretor-geral da TecBan, analisa a situação:

“Em um momento crítico como este, é natural que as pessoas optem por ter o dinheiro em mãos.”

Para vencer as dificuldades impostas pela pandemia será preciso aumentar a base monetária brasileira a fim de garantir a eficiência do sistema de distribuição de dinheiro para que todos tenham acesso. Rosenzvaig adverte:

“O Brasil vive no seu limite. O volume de dinheiro circulante é muito baixo – apenas 3,9% do PIB. Na China, esse percentual é mais que o dobro (8,9%). Os EUA registram 8,2% do PIB em moeda circulante e o Japão 21%.”

O aumento do volume de saques na rede entre abril e julho ocorre meses depois de a TecBan divulgar balanço das operações em 2019. Entre janeiro e dezembro do ano anterior, a marca alcançou a marca de 2,1 bilhões de transações, tornando-se na maior rede independente de caixas eletrônicos do mundo em volume de saques.

Os números impressionam. A rede atendeu 140 milhoes de pessoas em 2019. O montante das transações equivale a 4,6% do PIB brasileiro.

O ano de 2019 também registrou crescimento de 50,7% no faturamento da TBForte – empresa de segurança e transporte de valores fundada em 2008. A transportadora detém 5% de participação de mercado no atendimento a agências bancárias e 9% de participação em caixas eletrônicos.