Líder sindical se afasta de luta contra cartel e anuncia acordo com Vittorio Medioli

Afonso Rodrigues de Carvalho, presidente do Sindicato dos Cegonheiros de Goiás (Sintrave-GO), afirma que não fará novas denúncias em defesa da livre concorrência. No próximo dia 10, firmará acordo com o proprietário do grupo Sada para pôr fim a queixas-crime.

Depois de lutar por mais de 20 anos em defesa da livre concorrência no setor de transporte de veículos novos, o presidente do Sindicato dos Cegonheiros de Goiás (SIntrave-GO), Afonso Rodrigues de Carvalho, mais conhecido como Magayver, anunciou que deixará de formular novas denúncias contra o chamado cartel dos cegonheiros. Descontente com o que classifica de falta de valorização dos carreteiros (micro e pequenos empresários que prestam serviços para quatro montadoras), ele também avisou que no próximo dia 10 firmará acordo com o político e empresário Vittorio Medioli para encerrar a tramitação na Justiça de pelo menos duas queixas-crime. Uma delas, em São Bernardo do Campo (SP), tem audiência marcada para a próxima terça-feira (2), mas, a pedido das partes, poderá ser transferida para o dia 17.

Ao longo de muitos anos, Medioli, proprietário do grupo Sada, foi alvo de duras críticas por parte de Magayver. Em vários inquéritos e ações judiciais movidas pelo Estado, o líder sindical aparece como uma das mais importantes testemunhas contra o chamado cartel dos cegonheiros. Ele explica por que não será mais assim:

“Neste ano tudo vai mudar. Não defenderei mais interesses e causas que possam beneficiar qualquer empresário. Se há problemas entre os empresários, que resolvam entre eles, como entenderem melhor. Estou deixando de defender empresários e de sofrer ações judiciais por isso.”

Foi a partir de uma ação controlada arquitetada pela Polícia Federal, tendo Carvalho como principal protagonista, que houve a deflagração da Operação Registro Espúrio.

“A partir de agora, meu objetivo será somente a defesa dos interesses dos carreteiros associados à nossa entidade classista. Não quero mais meu nome envolvido em denúncias e muito menos o nome do Sintrave-GO.”

Magayver também comanda a Antag – Associação Nacional dos Transportadores Agregados à Gabardo.

A manifestação de Carvalho surgiu após o site Livre Concorrência ter publicado, na última quarta-feira (24), notícia informando que a Justiça da Alemanha, depois de aceitar denúncia por formação de cartel no exterior (Brasil) contra a Volkswagen, marcou audiência preliminar para o dia 21 de junho. O líder sindical foi o responsável pela apresentação da documentação que levou o Ministério Público alemão a propor a ação judicial.

Vittorio Medioli
O site Livre Concorrência lembra que Medioli é apontado pela Polícia Federal como o chefe de uma organização criminosa que atua em todo o país no setor de transporte de veículos novos. O processo está em tramitação na 11ª vara criminal da comarca de Porto Alegre. Em São Bernardo do Campo, junto com outros 11 (executivos de transportadoras de veículos e entidades), o político e empresário é réu em ação penal movida pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco). Todos são acusados de formação de cartel no setor de transporte de veículos novos e de associação criminosa.

Pelo menos duas de suas empresas foram alvo de busca e apreensão pela Polícia Federal no âmbito da Operação Pacto, deflagrada em outubro de 2019, parceria com o Gaeco e o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). No órgão antitruste, a Brazul Transporte de Veículos, de propriedade do grupo Sada, aparece como uma das representadas no inquérito administrativo de busca apurar práticas de infrações à ordem econômica.