Leitores condenam postura de sindicalista que se aliou ao cartel

Em fevereiro, Afonso Rodrigues de Carvalho, o Magayver, anunciou acordo com Vittorio Medioli. Na ocasião, afirmou que não faria novas denúncias contra o cartel dos cegonheiros. Foi além, agora ele nega tudo o que disse nas últimas duas décadas.


Os leitores mais assíduos do site Livre Concorrência manifestaram-se nesta quarta-feira sobre a súbita e inesperada mudança de lado do empresário e sindicalista Afonso Rodrigues de Carvalho na luta contra o cartel dos cegonheiros. Depois de combater por mais de duas décadas os crimes praticados pela organização criminosa que controla mais de 90% dos fretes de veículos novos no país, Magayver, como é conhecido no segmento, anunciou acordo com Vittorio Medioli – apontado pela Polícia Federal como o chefe da quadrilha investigada. Como parte dessa aliança, Magayver registrou em escritura pública ter sido manipulado nos últimos 20 anos pelo empresário gaúcho Sérgio Gabardo. No documento de nove páginas, avaliado em R$ 1 milhão, alegou “entendimento limitado” e “baixo nível de instrução” para justificar os ataques que fez ao cartel dos cegonheiros. Ele também afirmou que vai trabalhar para o político e empresário, que lhe ofereceu serviço.

Cegonheiro há mais de 40 anos, Jorge Francisco, ex-presidente do Sindicato dos Transportadores de Veículos do Espírito Santo, encaminhou e-mail ao site. Ele qualificou a mudança de postura de Magayver como “estarrecedora”:

“Estarrecedor o episódio que estamos assistindo dentro de um setor já tão conturbado por manipulações de empresários inescrupulosos que cartelizaram o transporte de veículos novos com muita propina, violência e até incêndios criminosos.”

E acrescentou:

“Magayver, que construiu um patrimônio invejável na Gabardo, agora está tentando manipular as autoridades em favor de Vittorio Medioli a troco de algumas migalhas”.

Um outro leitor que preferiu não se identificar chamou a atenção para a atualidade de declaração do deputado federal Pastor Eurico (foto de abertura). Em 2017, o parlamentar eleito por Pernambuco falou sobre o cartel dos cegonheiros:

“Eles compram todo mundo.”

O parlamentar destacou à época:

“Já vieram aqui em Brasília, já me ofereceram muita coisa, já poderia ser chamado de rico. Não interessa. Não me alio à corrupção. Não me alio a cartéis. Não me alio à máfia.”

Em comentário encaminhado ao site, Luiz Carlos Bezerra escreveu sobre a troca de lado de Magayver:

“A força do dinheiro sujo é terrível.”