Senadores aprovam indicação de Alexandre Cordeiro para o Cade

O atual superintendente-geral da autarquia foi indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para presidir o órgão antitruste.

A Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado Federal aprovou nessa segunda-feira (5) a indicação de Alexandre Cordeiro Macedo para o comando do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Atual superintendente-geral do órgão antitruste, Macedo foi indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para assumir a presidência do Cade. Ele é ligado a um dos líderes do Centrão – o presidente do PP, senador Ciro Nogueira (PI).

Na sabatina, Macedo revelou preocupação com o domínio das big techs. Disse aos senadores que o Cade pode agir para evitar concentrações no mercado de economia digital.

Também falou sobre os desafios do Cade no pós-pandemia. O site Poder 360 registrou:

“O número de fusões e aquisições tem aumentado significativamente e é possível perceber uma consolidação natural dos mercados. O crescimento da economia vai impingir uma nova dinâmica no mercado, a demanda reprimida durante todo esse tempo e liberada a curto prazo possivelmente vai exercer forte pressão sobre os preços e qualidade dos produtos, e a concorrência é uma forma de mitigar esses efeitos.”

A serviço do Bolsonaro contra a Globo
O site Intercept Brasil revelou que Macedo, desde 2019, envolveu-se diretamente em processos iniciados no Cade contra a Globo Comunicação. A reportagem acrescenta:

Em todos eles, Cordeiro se envolveu diretamente e de forma incomum no andamento da investigação. Foi o gabinete do superintendente-geral que produziu documentos decisivos – e não as coordenações-gerais, que normalmente são as responsáveis por apurar as denúncias, elaborar e assinar as notas técnicas. Nos casos que envolvem o grupo Globo, contudo, a assinatura de Macedo aparece até nessas notas.

Macedo substituirá Alexandre Barreto, cujo mandato se encerrou em 21 de maio.

Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado