Dono do grupo Sada manda conceder desconto de até 60% no frete retorno para “desbancar” concorrentes

Correspondência eletrônica enviada por Vittorio Medioli, proprietário do grupo Sada, manda seus subordinados concederem descontos de até 60% ao chamado frete de retorno. O objetivo, segundo o próprio Medioli, seria o de “desbancar as gatas e outros”. O documento datado de 2012 foi apreendido pela Polícia Federal no âmbito da Operação Pacto, nas dependências das transportadoras controladas pela Sada e mostra como o empresário atua perante a livre concorrência no bilionário setor de transporte de veículos.

Assim que o grupo Sada adquiriu o controle acionário da empresa Autoservice Logística, sem comunicar a operação ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), Vittorio Medioli encaminhou e-mail a subordinados dando diretrizes para a mais nova integrante do grupo. Além de sugerir – o que foi acatado – concessão de descontos de até 60% no valor do frete de retorno de veículos que não pertencem a montadoras, o empresário pediu apoio “do sindicato” e frisou não haver necessidade de dar “muita satisfação” à indústria automobilística – seu principal cliente.

Sobre a intempestividade na notificação obrigatória referente à aquisição da Autoservice, ocorrida três anos após a compra, a autoridade antitruste aplicou multa de R$ 681 mil à operação. O grupo Sada não cumpriu a determinação e ajuizou ação questionando a sanção, que ainda está em andamento.

O desconto – chamado por Medioli de Programa P50 ou P60 no e-mail apreendido pelos federais e que o site Livre Concorrência teve acesso com exclusividade – foi implantado pela Autoservice e aplicado no chamado frete de retorno. O empresário deixou claro que a intenção seria a de “relacionar a prática ao desconto para desbancar as gatas e outros”. Gatas são micro e pequenas empresas que ganham a vida transportando veículos que não pertencem as cargas de montadoras. Só em São Paulo, cerca de 100 empresas de pequeno porte passaram a ser prejudicadas direta e imediatamente com a ação do grupo Sada.

Reprodução de documento apreendido pela Polícia Federal.

O site Livre Concorrência destaca abaixo trechos do e-mail de Medioli:

“Montadoras creio seja o menor problema, não devemos a elas muita satisfação.”

Ele prosseguiu:

“Temos que ter peito para impor, com o apoio do sindicato, um sistema de sinergia que oferece um ganho a todos. Todos ganhando, todos defenderão o esquema.”

No e-mail apreendido pela PF, agora também em poder do Gaeco e do Cade, Medioli acrescentou:

“Montar mais uma empresa não serve. O que temos de montar é uma cultura de retorno.”

Justificando a implantação do desconto, chamado de Programa P50-P60, Medioli ressaltou:

“Se trataria como acontece numa indústria de venda de sucata, é um frete sucata, aproveitamento mínimo de uma situação que para as montadoras é impensável e ajuda a manter a renda dos operadores do sistema.”

Segundo o empresário, o programa trará “claro benefício indireto para as próprias montadoras, pois motoristas e carreteiros estarão mais felizes, evitaremos desvios de frotas das rotas e um retorno [será] disciplinado”.

Em outras correspondências, também apreendidas pelos federais, subordinados de Medioli, a exemplo do ex-executivo da Brazul, G.S.P. (já falecido), colocam o proprietário do grupo Sada, copiado, a par do andamento das negociações:

“Já conversei informalmente com o Sindicam (atualmente Sinaceg) e o assunto foi bem recebido.”

Os itens tratados foram repassados aos demais pela mesma correspondência eletrônica:

“ Atuação mais consistente no mercado de carros paralelos (retorno) em todo o Brasil, aproveitamento das bases das empresas atuação junto aos sindicatos de MG e SP – participação deles em 2% por 24 meses, aproveitamento da frota de autônomos (Sindicam-Sinaceg + Sintrauto-MG) + frota própria das empresas, a Autoservice não terá frota própria em hipótese alguma, deixar a Autoservice sem vínculo com cargas montadoras.”

Procurada pelo site Livre Concorrência a Sada respondeu:

“No que se refere a frete em rota reversa, a tarifa da Autoservice (Grupo Sada) é cobrada em média 40% do frete de ida/volta.”