Montadoras de vários países sofrem fiscalização na União Europeia

Na última década, a Comissão Europeia emitiu multas totais no valor de de 2,2 bilhões de euros contra cartéis de autopeças que lidam com produtos que vão de freios a chicotes elétricos, cintos de segurança e airbags.

Suspeita de violação de regras de defesa da concorrência deflagraram ações de fiscalização em montadoras de automóveis em diversos países da União Europeia. O órgão de concorrência da UE informou em comunicado que as inspeções e pedidos de informação dizem respeito a um possível conluio em relação à recolhimento, tratamento e recuperação de carros no fim da vida útil que são considerados resíduos. As empresas envolvidas em violação das regras que protegem a livre concorrência da UE podem enfrentar multas de até 10% de seu faturamento global.

Algumas marcas responderam à agência Reuters. A alemã BMW disse que recebeu um pedido de informações e que vai respondê-lo. A Mercedes Benz explicou que não espera ser multada porque propôs leniência e está cooperando com a Comissão e com a Autoridade de Concorrência e Mercados do Reino Unido (CMA).

A Ford escreveu em comunicado que recebeu uma notificação da CMA “relativa à reciclagem de veículos antigos ou descartados, especificamente carros e vans, também conhecidos como veículos em fim de vida”. A Renault confirmou que foi visitada por investigadores da Comissão Europeia e está cooperando plenamente.

A Volkswagen e sua marca premium Audi se recusaram a comentar o assunto. As montadoras Stellantis e Ferrari não responderam imediatamente a pedidos de comentários. As inspeções foram realizadas em 15 de março.