Youtube cumpre nova decisão e retira do ar terceira edição do “Fala Bahia News”

Plataforma cumpriu a segunda decisão da juíza Adriana Rosa Morozini, de Canoas (RS), e retirou do ar o terceiro programa denominado “Fala Bahia News”, comandado pelo apresentador Everaldo Dantas. Na última sexta-feira, recurso foi apresentado ao Tribunal de Justiça gaúcho. O acompanhamento processual revela que entrevistador e entrevistado passaram a dividir o mesmo advogado.

O Youtube retirou do ar o terceiro programa “Fala Bahia News”, apresentado por Everaldo Dantas. A plataforma virtual cumpriu decisão da juíza titular da 2ª Vara Cível da Comarca de Canoas (RS), Adriana Rosa Morozini. Em duas decisões, a magistrada determinou a “imediata suspensão das reproduções”. Em ação movida pelo empresário Sérgio Mário Gabardo e sua empresa, a Transportes Gabardo, a juíza já havia determinado a suspensão de outros dois programas. Na semana passada, o advogado Apollo Bernardes da Silva (Brasília-DF), em defesa do apresentador baiano, protocolou recurso no Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul. Apollo também é advogado do ex-líder sindical Afonso Rodrigues de Carvalho, que tem utilizado o programa baiano e outros canais para promover ataques ao empresário gaúcho.

De acordo com a decisão anterior da magistrada, também cumprida pelo Youtube, durante as entrevistas, o apresentador Everaldo Dantas, na condução dos programas, não se limitou a relatar fatos e a indicar investigações oficiais ou processos judiciais já movidos em desfavor dos requerentes, “mas também imputou aos autores uma série de fatos delituosos, bem como utilizou expressões de baixo calão ao se referir aos demandantes”. No terceiro programa em que houve determinação de retirada do ar, as expressões de baixo calão continuaram sendo usadas pelo apresentador.

Na decisão, a juíza escreveu..

“Reiterando os fundamentos já lançados na decisão proferida no evento 6, os quais deixo de repetir para evitar desnecessária redundância, em sede de cognição sumária, entendo prudente proferir nova ordem de suspensão da reprodução do novo vídeo divulgado, o que faço para fins de preservar a imagem e a honra dos requerentes, até que os fatos sejam melhor esclarecidos.”

A magistrada também alertou:

“Desde já destaco que, a persistirem a publicação de vídeos feitos nos mesmos moldes e com o mesmo tipo de conteúdo, a requerimento da parte autora e após a citação, poderá ser determinada a proibição de novas divulgações deste tipo de conteúdo, visando à proteção da dignidade da parte autora.”

Ameaça e intimidação
A descoberta sobre o compartilhamento do advogado de defesa Apollo Silva entre entrevistador (Dantas) e entrevistado (Carvalho) não agradou o bacharel. Em tom ameaçador e intimidatório, ambos inócuos – idêntico aos utilizados por advogados de Vittorio Medioli, proprietário do grupo Sada e pelo próprio político e empresário – da Silva disse:

“Eventual utilização do meu nome ou de meu escritório não estão autorizadas, caso haja publicação de ambos, medidas judiciais serão tomadas.”

Ao site Livre Concorrência, ele falou sobre a escolha do apresentador:

“O senhor Everaldo me contatou por estarmos cientes das questões do setor, logo entendeu que estamos aptos.”

Recurso do apresentador
Na terça-feira (7), a desembargadora Eliziana da Silveira Perez, relatora do Agravo de Instrumento na 6ª Câmara Cível do TJ-RS, promoveu o seguinte despacho:

“Intime-se o agravante – representado pelo advogado Apollo da Silva – para juntar a peça recursal do Agravo de Instrumento, pois o documento do evento 1 – INIC1 está vazio.

Apollo Silva, que tem escritório na capital federal, agora passou a defender também o apresentador do programa Fala Bahia News. O advogado acompanhou o ex-líder sindical Afonso Carvalho na assinatura da escritura pública de retratação a Medioli, “declarada e avaliada entre as partes em R$ 1 milhão”. Da Silva esteve presente na transcrição do documento entregue pronto por Carvalho ao cartório para ser copiado. Acompanhou e assinou junto.

Ao melhor estilo dos defensores do cartel dos cegonheiros – discurso afinado com o dos advogados de Medioli – Apollo da Silva disparou:

“O senhor Afonso nunca utilizou o programa, mas sim foi convidado a falar o que entende ser a verdade sobre o contratante de suas matérias e sua pessoa.”

Nota da Redação
O site Livre Concorrência mantém a posição de ser defensor incondicional do livre direito à manifestação e da liberdade de imprensa, sempre respeitando todos os limites e ditames estabelecidos pela legislação vigente, cabendo ao Poder Judiciário delimitar os eventuais excessos.