2024: O ano da energia solar no Brasil

A partir de janeiro deste ano, os efeitos da portaria  50/2022 do Ministério de Minas e Energia, promovendo a abertura do mercado, trouxe um avanço significativo ao setor de energia elétrica no país.

* Por Junior Helte

A geração de energia solar está entre os segmentos que tiveram um crescimento exponencial, pode-se dizer, nos últimos cinco anos. Tudo tem acontecido de forma muito rápida, não à toa já é a segunda fonte de geração de energia no país. De acordo com a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar) em 2023 a fonte solar representou 36 GW de geração de energia, significando cerca de 16% da matriz elétrica, com expectativa de 45,5 GW para 2024. Quando falamos tanto em energia solar de geração de pequeno porte, residências e comércios, como de grande porte e fazemos o levantamento dos inúmeros dados divulgados ano passado, entendemos que a matriz foi a que mais cresceu e que tem um potencial imenso para este ano.

Estamos falando aqui também de uma fonte renovável que ainda gera muita economia para o bolso e também contribui na questão da sustentabilidade. \

De acordo com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o Brasil conta com 89,9 milhões de unidades consumidoras de energia elétrica, sendo apenas 3,2 milhões beneficiadas pela geração solar distribuída. Isso significa que temos muito mercado para conquistar em 2024 e que tudo será muito rápido, visto a evidência que a energia solar ganhou, principalmente com a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas de 2023 (COP 28).

Para 2024 o segmento solar irá sentir alguns movimentos mais abruptos do mercado, entre eles a variação de valores e demanda que até então têm respondido de forma equivalente, contudo a demanda deve se sobrepor, trazendo números pautados no crescimento do setor. A energia solar é sim o futuro em inúmeros sentidos, inserida em um mercado que ainda irá se adaptar, regulamentar e alterar bastante. Considerando o cenário atual, o custo médio de projeto, para aquisição e instalação em uma residência – consumo médio residencial 300 Kw/h, situada na região sudeste, onde o fator de radiação é em torno de 5,6 Kw/h, com custo aproximado de uma fatura de energia de R$ 276,00 reais mensais seria de R$ 10 mil reais. Há seis anos, esse valor giraria em média R$ 20 mil reais.

Entre os assuntos que devem guiar a energia solar neste ano estão a produção brasileira de painéis solares; a conexão com o setor agro e com o Plano Safra 2023-2024, já que a previsão é de R$ 364 bilhões para investimentos no campo com linhas voltadas práticas mais ecológicas, melhores taxas juros para financiamento das usinas de geração fotovoltaica; a expansão da capacidade de geração e armazenamento de energia, reduzindo a dependência da rede de distribuição de energia elétrica; as usinas flutuantes e, claro, a mobilidade, proporcionando e abrindo caminhos ainda maiores para a redução de custos aliados a geração sustentável.

Sobre os desafios, podemos citar as regulamentações e a consolidação do mercado que se mostrou muito promissor nos últimos anos. A Helte é considerada uma das maiores distribuidoras de kits geradores fotovoltaicos do país e, assim como as outras marcas do Grupo HLT: Inimex e Ângulo, traz uma bagagem muito sólida no segmento solar com assistência técnica especializada, alta qualidade dos produtos ofertados, certificações e garantia de rendimento de geração. Todos esses fatores serão decisivos perante um setor que vem se regulamentando.

Ademais o Brasil é um país riquíssimo em território para implementação de sistemas solares devido ao alto índice de radiação, entre outros. Isso faz com que a geração de energia solar se torne realidade cada vez mais rápido para a população, possibilitando ainda mais a introdução de geração renovável na matriz e da transição energética do País.

*Junior Helte, CEO Grupo HLT (Helte, Inimex e Ângulo).
ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "2024: O ano da energia solar no Brasil"

  1. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

    CONCORDO PLENAMENTE. A ENERGIA SOLAR É UMA INOVAÇÃO MUITO SAUDÁVEL MESMO.
    ACREDITO QUE OS CUSTOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DESSA ENERGIA, ATÉ MESMO EM UM EDIFÍCIO RESIDENCIAL, SEJA MUITO PROMISSOR, POIS BAIXARIA MUITO OS CUSTOS MENSAIS, NÃO É MESMO?
    ESSA INOVAÇÃO SÓ PODE NOS TRAZER MUITOS BENEFÍCIOS FUTUROS.
    PARABÉNS POR ESSA BRILHANTE MATÉRIA, NOBRE EDITOR CHEFE DESSE PORTAL!

Os comentários estão encerrados