Ágio pago pela Ford Brasil ao cartel dos cegonheiros representa 14,31% da economia que a montadora pretende obter com o corte de 7 mil postos de trabalho em todo mundo

A Ford anunciou demissão de 7 mil trabalhadores em todo o mundo para economizar US$ 600 milhões (R$ 2,430 bilhões) por ano. O resultado obtido em 12 meses com o corte de funcionários em todo o mundo (vale ressaltar) representa 14,31% do que a Ford Brasil pagou de ágio ao cartel dos cegonheiros em 27 meses.

Ao todo, a divisão brasileira da montadora norte-americana transferiu US$ 343,9 milhões (R$ 1,393 bilhão) às transportadoras que compõem a organização criminosa que controla mais de 93% dos fretes de veículos novos no país. Desse total, US$ 85,9 milhões (R$ 348,2 milhões) referem-se ao ágio de 25% sobre o valor praticado por empresas não vinculadas ao cartel.

A diferença entre o valor real do frete e o valor tabelado por operadores gananciosos decorre principalmente da falta de livre concorrência no bilionário mercado.

Os totais referem-se aos emplacamentos realizados entre janeiro de 2017 e março de 2019. Para calcular o prejuízo causado pela cobrança do ágio, a reportagem usou equação desenvolvida pelo Ministério Público Federal.

Em comunicado aos funcionários, o presidente-executivo da Ford, Jim Hackett, afirmou:

“Para ser bem sucedido na nossa indústria competitiva, e com a posição da Ford de vencer em um futuro com mudança constante, nós devemos reduzir a burocracia, emponderar os gerentes, acelerar a tomada de decisão, com foco no trabalho mais valioso e cortar custos.”

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen