Cade comprovou formação de cartel entre grandes transportadoras de veículos novos e Polícia Federal confirmou conclusão do órgão antitruste

Os alicerces da Operação Pacto, deflagrada na semana passada contra transportadoras e sindicato ligados ao cartel dos cegonheiros, foram construídos pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), a partir de acordo de leniência firmado entre uma empresa e o órgão antitruste, até agora mantido em sigilo. O resultado desse entendimento, encaminhado há aproximadamente um ano à Delegacia de Repressão contra Crimes Fazendários da Superintendência da Polícia Federal, comprovou a existência de um pacto para dividir o mercado bilionário de frete de veículos novos entre poucas transportadoras. Mais tarde, a investigação da Polícia Federal confirmou as conclusões do Cade.

A origem da Operação Pacto foi revelada pelo chefe da Delegacia de Repressão Contra Crimes Fazendários, delegado Alberto Ferreira Neto (no centro da imagem de abertura), durante coletiva à imprensa que detalhou as origens do inquérito que culminou em dez mandados de buscas e apreensões em municípios de três estados: Betim (MG), São Bernardo do Campo (SP), Santo André (SP), Simões Filho (BA) e Serra (ES).

O delegado explicou:

“O Cade relatou à Polícia Federal acordo de leniência em que ficou comprovado a divisão de mercado nos fretes de carros novos. A partir daí começamos a investigação e de fato ficou comprovado o fatiamento desse mercado com pelo menos quatro empresas que se revezavam.”

O nome das operadoras não foi revelado. Pela lógica, é possível concluir que Sada e Tegma estão entre os grupos investigados. A Tegma até emitiu nota para tentar acalmar os acionistas, após repercussão negativa na Bolsa de Valores por causa das notícias referentes aos mandados de busca e apreensão cumpridos na sede da empresa.

Na mesma coletiva, o delegado da Polícia Federal Rodrigo Sanfurgo, da Delegacia de Repressões a Crimes Fazendários em São Paulo, acrescentou:

“O cartel é formado por grandes empresas e atua em todo o território nacional.  Essas empresas se uniram. Passaram a trocar informações sensíveis, a dividir o mercado e a estipular o preço ofertado para os clientes (valor do frete).”

Sanfurgo complementou:

“Fatiaram o mercado de forma a vender o serviço com cartas marcadas, impedindo que novas empresas ingressem.”

E concluiu:

“A prática ocorre há anos. O cartel se consolidou por volta de 2010. Nós já temos fortes elementos com relação a esse acordo, a esse pacto que foi firmado por essas empresa. O que a investigação busca hoje é trazer a investigação para os dias atuais. Há vários indícios de que a prática continua em vigor. Ela existe hoje e faz com que o preço do frete, suportado pelo consumidor, seja 30% a 40% superior ao que poderia ser praticado em um mercado competitivo.”

Segundo ele, a livre concorrência não se verifica no setor de transporte de veículos novos.

Ao todo, 60 agentes participaram da primeira fase da Operação Pacto, coordenada pela Polícia Federal, em parceria com o o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco –  órgão do Ministério Público de São Paulo) e o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). O órgão antitruste enviou 26 servidores à força-tarefa. (Foto: Divulgação Comunicação Social da Polícia Federal)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "Cade comprovou formação de cartel entre grandes transportadoras de veículos novos e Polícia Federal confirmou conclusão do órgão antitruste"

  1. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

    POIS É MEUS AMIGOS E TRANSPORTADORES DE VEÍCULOS, NÃO VINCULADOS A ESTE CARTEL, COMO NÓS, SITUADOS AQUI NO ESTADO DE PERNAMBUCO, QUE ESTAMOS TAMBÉM SENDO LESADOS HÁ VÁRIOS ANOS, SEM PODER TRABALHAR NO RAMO, NA MONTADORA FIAT/JEEP. ONDE SE QUER FOMOS APOIADOS PELO GOVERNO DO ESTADO, ATÉ OS DIAS DE HOJE.
    DA MESMA FORMA QUE ELES AGIRAM E AGEM NOS DEMAIS ESTADOS DA FEDERAÇÃO!
    COMO NÃO EXISTEM “CRIMES PERFEITOS”, ESPERAMOS QUE AGORA FINALMENTE TENHA CHEGADO AO FIM, ESTA ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA, E QUE TODOS OS RESPONSÁVEIS PELOS DELITOS ORA APONTADOS, SEJAM FINALMENTE PUNIDOS NAS FORMAS DAS LEIS VIGENTES. SEM PIEDADE. DOA A QUEM DOER!
    O NOSSO PAÍS TEM JEITO SIM! O FIM DESTE E DE TODOS OS CARTÉIS EXISTENTES NESSA NOSSA NAÇÃO, TEM QUE SER DEVIDAMENTE LEVADO À SÉRIO!
    PARABENIZO VEEMENTEMENTE, AS AÇÕES DOS ÓRGÃOS FEDERAIS EM QUESTÃO, BEM COMO A REDAÇÃO DESTE MAGNÍFICO PORTAL, QUE ATUOU E ATUA ATÉ HOJE, DESDE SUA FUNDAÇÃO, PARA QUE A “LIVRE CONCORRÊNCIA”, SEJA RESPEITADA.
    PARA CONCLUIR, DEVEMOS TAMBÉM APLAUDIR AOS SINDICATOS DA CATEGORIA (TRANSPORTADORAS DE VEÍCULOS), QUE NUNCA SE CURVARAM A ESTES DESMANDOS, COMO POR EXEMPLO, O SINTRAVEIC-PE E O SINTRAVE-GO, POIS NUNCA BAIXARAM SUAS CABEÇAS, PARA ESTE CARTEL HEDIONDO!
    COM ESTAS AÇÕES, ATÉ OS CONSUMIDORES FINAIS, QUE ADQUIREM SEUS VEÍCULOS NOVOS (0 KM), TAMBÉM DEIXARÃO DE SER LESADOS!
    PRA FRENTE BRASIL! AGORA SOB NOVA DIREÇÃO!

Os comentários estão encerrados