MPF cobra R$ 28,9 bilhões de cimenteiras por prejuízos causados a consumidores durante 20 anos de cartel

Ação Civil Pública foi ajuizada na Justiça Federal de São Paulo e mira 15 réus: seis empresas, três entidades e seis pessoas físicas. O cartel foi investigado pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) entre os anos de 2006 e 2014, quando ocorreu a condenação. No esquema ilegal, foi descoberto que companhias combinavam preços superfaturados, dividiam o mercado entre si e criavam barreiras à livre concorrência.

O Ministério Público Federal (MPF) entrou com uma ação civil pública contra seis das principais empresas brasileiras do ramo de cimento e concreto que, por cerca de 20 anos, integraram um cartel para fixação de preços superfaturados. Estima-se que o grupo tenha lucrado R$ 28,9 bilhões entre 1987 e 2007, por meio de condutas ilícitas para eliminar a livre concorrência no setor e garantir o sobrepreço acordado entre os envolvidos. Também são alvos da ação seis gestores das empresas processadas e três associações de classe que atuaram no esquema. O MPF pede que os 15 réus sejam condenados a pagar, de forma conjunta, o valor referente aos prejuízos econômicos gerados pelo cartel, além de, pelo menos, R$ 10 bilhões pelo dano moral coletivo imposto à sociedade.

O esquema era formado pelas empresas Votorantim Cimentos S.A., Itabira Agro Industrial S.A., Cimpor Cimentos do Brasil Ltda., InterCement Brasil S.A., Holcim do Brasil S.A. e Companhia de Cimento Itambé. Participavam, ainda, do cartel a Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP), a Associação Brasileira das Empresas de Serviços de Concretagem (ABESC) e o Sindicato Nacional da Indústria do Cimento (SNIC), entidades que intermediavam e facilitavam a adoção das condutas anticompetitivas.

As irregularidades foram investigadas desde 2006 pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), num processo que culminou, em 2014, com a condenação dos envolvidos por formação de cartel. Segundo apurado, as empresas cartelizadas trocavam informações para fixar e controlar os preços do cimento e do concreto em diversas regiões do país, operando um sobrepreço estimado em 20% sobre o valor corrente no mercado. As participantes eram constantemente monitoradas, para que se mantivessem alinhadas com os acordos firmados pelo grupo.

De acordo com a antiga Secretaria de Direito Econômico (SDE) do Ministério da Justiça, o cartel de cimentos e concreto atuou em todo território nacional, alcançando uma participação de mercado de aproximadamente 85%, variando de estado para estado. O MPF conclui:

“Há provas de que as empresas compartilhavam tabela de valores usada como referência em cada região. Esse preço seria seguido por todas: quando uma reajustava o preço, as outras aumentavam na mesma proporção.”

Além de combinar o quanto seria cobrado, as partes investigadas fixavam as quantidades de cimento a serem produzidas, a fim de regular a oferta e manter as participações de mercado nos níveis acordados pelo grupo. Identificou-se também a criação de barreiras à entrada de novos concorrentes no mercado de concreto, visando à exclusão de competidores. Para isso, os grandes grupos cimenteiros cobravam pelo cimento “preços impraticáveis” às concreteiras que não integravam o cartel. Entre as outras condutas ilícitas praticadas estavam a divisão regional do mercado e a alocação combinada de clientes, por meio da partilha de obras entre os membros do esquema.

Prejuízos
Calcula-se que o grupo tenha embolsado R$ 1,4 bilhão em um ano, considerando o preço médio da tonelada de cimento e o superfaturamento de 20%, em valores à data do julgamento pelo Cade, em 2014. Ao longo de 20 anos de existência do cartel, os danos materiais chegariam a R$ 28,9 bilhões.

Para se ter uma ideia dos prejuízos à sociedade, pode-se tomar como exemplo mínimo o impacto sofrido pelo programa governamental “Minha Casa, Minha Vida”, que, até 2016, havia gasto R$ 134,5 bilhões para construir 2,1 milhões de casas populares. A procuradora da República Karen Louise Kahn, autora da ação, destaca:

“Desse total, cerca de R$ 10 bilhões foram gastos com cimento. Ou seja, somente nesse caso, o dano aos cofres públicos ficou em R$ 2 bilhões, considerando o superfaturamento de 20%, o que permitiria construir mais de 50 mil casas populares.”

Para ressarcir os prejuízos materiais causados pelo esquema, o Ministério Público Federal pleiteia, como pedido principal, que os réus sejam condenados a pagar, pelo menos, R$ 28,9 bilhões por dano econômico-financeiro. De forma subsidiária, o MPF pede o pagamento de no mínimo R$ 7,7 bilhões – estimativa que considera o sobrepreço mínimo de 2,7% apurado em análise pericial preliminar, que tomou como base a diferença entre os preços do cimento operados pelo cartel entre 1994 e 2004. A ação demanda, ainda, que os envolvidos sejam proibidos de firmar contratos com instituições financeiras oficiais e de participar de licitações para a realização de obras e serviços e concessão de serviços públicos por, pelo menos, cinco anos. (Com Assessoria de Comunicação Social do Ministério Público Federal de São Paulo)

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "MPF cobra R$ 28,9 bilhões de cimenteiras por prejuízos causados a consumidores durante 20 anos de cartel"

  1. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

    SÓ TEMOS QUE PARABENIZAR AO CADE E MPF, POR ESSAS DECISÕES, QUANTO AO SEGUIMENTO AFIM, POIS SE JÁ HOUVE AS DEVIDAS INVESTIGAÇÕES E CONSTATAÇÕES DESSAS FRAUDES, TODOS DEVEM SER PUNIDOS MESMO, NA FORMA DAS LEIS CONSTITUCIONAIS DESSE NOSSO PAÍS!
    NADA MAIS A DECLARAR, NÃO É MESMO!
    SÓ PARA COMPLEMENTAR: TODO CARTEL, SEJA ELE QUAL FOR, DEVERIA SER EXTINTO DE NOSSO BRASIL, DE FORMA IMEDIATA!
    PRA FRENTE BRASIL!
    MATÉRIA BRILHANTE!

Os comentários estão encerrados