Advogado dono da casa onde Fabrício Queiroz foi preso representou cartel dos cegonheiros em tentativa de corromper jornalista

A casa em Atibaia (SP) onde Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro, foi preso na manhã desta quinta-feira pertence ao advogado Frederick Wassef – uma figura bastante conhecida aqui na redação do site Livre Concorrência. Em 2015, ele foi designado pelo então vice-presidente do grupo Sada, Luiz Alberto de Castro Tito, para concluir negociata iniciada por executivos de transportadoras ligadas ao cartel dos cegonheiros. A proposta dos representantes da organização criminosa que controla o transporte de veículos novos no país previa pagamento de R$ 1,5 milhão em propina para o jornalista Ivens Carús fechar o site e prestar falso testemunho à Justiça. Nesse depoimento elaborado pelo cartel, Carús deveria afirmar que tudo o que escrevera nos últimos 10 anos foi a mando de transportadoras independentes. Em vez de se aliar ao cartel, Carús denunciou o esquema a um delegado da Polícia Federal, a um procurador da República e a um promotor do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco).

Publicidade: confira aqui o conteúdo do site Debate Jurídico

A primeira oferta do cartel foi feita em 9 de fevereiro de 2015. Todos os diálogos e documentos produzidos entre março e setembro de 2015 (quando a transação cessou) foram entregues às autoridades.

Vice-presidente da Sada introduziu Wassef nas negociações
Luiz Tito, vice-presidente da Sada, apresentou o advogado Frederich Wassef ao jornalista Ivens Carús. Wassef, nas palavras de Tito, era “da confiança do grupo” para dar andamento às tratativas.

Wassef elaborou um questionário para Carús responder. Negou-se a fornecer cópia, mas permitiu que fossem feitas fotos por celular das 25 perguntas.

Segundo o advogado, nas reuniões sobre o assunto participavam, além de Luiz Tito, Gilberto dos Santos Portugal, da Brazul e já falecido, Gennaro Oddone e Sineas Rodrigues, da Tegma, além do advogado Santoro, do escritório de advocacia contratado pela Tegma e que presta serviços à empresa até hoje.

Mala de dinheiro
Nas rodadas de negociação, Wassef revelou que os representantes das empresas Sada, Tegma e Brazul resolveram que o pagamento seria feito em espécie, entregue numa mala ao jornalista. Mais tarde, o advogado avisou que o “negócio estava cancelado porque houve grande discussão a respeito de quem deveria efetuar o pagamento. Ele explicou:

“A Sada e a Brazul querem, mas a Tegma não quer pagar a parte dela.”

Em 15 de abril de 2015, o vice-presidente da Sada mandou o texto abaixo ao jornalista Ivens Carús:

“Carus: tive que remover ontem minha mãe para outro hospital onde havia disponibilidade de CTI. O quadro dela se agravou e eu não posso me ausentar de BH. O Dr. Fred (Frederich Wassef) vai esperá-lo no restaurante Santo Grão, que fica na Rua Gerônimo da Veiga 179, no Itaim. Quando você estiver em Congonhas me mande uma msg que eu o aviso e piloto o encontro daqui. Abraço. Luiz Tito.”

Matéria do UOL, escrita por Constança Rezende, revelou a intimidade de Frederich Wassef com a família Bolsonaro. A relação envolve visitas do presidente e da primeira-dama, Michelle, à casa do advogado, além da venda para o presidente de uma Land Rover por R$ 50 mi.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "Advogado dono da casa onde Fabrício Queiroz foi preso representou cartel dos cegonheiros em tentativa de corromper jornalista"

  1. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

    É MEUS AMIGOS. SERIA MUITO BOM QUE O SR. FLÁVIO BOLSONARO FOSSE INOCENTE DAS ACUSAÇÕES, MAS A ATUAÇÃO DESSE ADVOGADO DEIXA A DESEJAR.
    COMO PODEM AVERIGUAR NA MATÉRIA ACIMA, ATÉ O PROPRIETÁRIO DA SADA E BRAZUL, SR. VITÓRIO MEDIOLI, QUE É APONTADO COMO GRANDE CHEFE DA ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA, DENOMINADO CARTEL DOS CEGONHEIROS, CERTAMENTE PARTICIPOU DESSE ATENTADO, JUNTAMENTE COM OS DEMAIS ACIMA CITADOS.
    COMO O SR. IVENS CARÚS NÃO SE CORROMPEU, DEVIDO A SUA INTEGRIDADE, TUDO FOI POR ÁGUA A BAIXO.
    AGORA ESSE PRÓPRIO ADVOGADO ESTARIA ENVOLVIDO TAMBÉM NO CASO DO SR. FABRÍCIO QUEIROZ. ONDE VAMOS PARAR NESSE NOSSO PAÍS, NÃO É MESMO?
    ESSE CARTEL ATUA NO MERCADO DE TRANSPORTE DE VEÍCULOS NOVOS, PRODUZIDOS NAS MONTADORAS EXISTENTES EM NOSSO PAÍS, HÁ MUITOS ANOS, E NUNCA PERMITIU QUE OUTRAS TRANSPORTADORAS, NÃO VINCULADAS AO MESMO, TIVESSEM A OPORTUNIDADE DE EFETUAR NEM UMA PEQUENA PARTE DO ESCOAMENTO DAS PRODUÇÕES, O QUE CARACTERIZA UMA GRANDE FRAUDE, POR NUNCA APLICAREM A LEI DA LIVRE CONCORRÊNCIA, QUE É UMA DIRETRIZ CONSTITUCIONAL. ATÉ MESMO INCENDEIAM CARRETAS E EQUIPAMENTOS DESSAS TRANSPORTADORAS, CONFORME JÁ FOI CITADO EM MATÉRIAS ANTERIORES.
    É TRISTE, MAS É VERDADE!
    SENDO ASSIM, NADA QUE VENHA A SER DITO POR ESSE ADVOGADO, NA QUESTÃO EM PAUTA, PODE SER CONSIDERADO COMO VERDADEIRAS. INFELIZMENTE!
    ESPERO SINCERAMENTE QUE NADA DO QUE ESTÃO INVESTIGANDO CONTRA O FILHO DO NOSSO PRESIDENTE, SEJA VERDADE.
    VAMOS VER ATÉ ONDE ISSO VAI CHEGAR!

Os comentários estão encerrados