Ágio de cartel é seis vezes maior que faturamento das transportadoras independentes

Sobrepreço cobrado pelo cartel dos cegonheiros somou nos seis primeiros meses deste ano R$ 1,6 bilhão. Transportadoras independentes faturaram R$ 255,3 milhões. Montante recebido pela organização criminosa que controla o setor soma 4,1 bilhões – ou R$ 3,8 bilhões a mais do que as empresas que não se envolvem com o esquema marcado pela divisão de mercado, fixação artificial de preços e eliminação da concorrência, segundo comprovou a Operação Pacto.

Ágio de até 40% no valor do frete cobrado pelo cartel dos cegonheiros é seis vezes maior que o faturamento bruto das transportadoras independentes registrado nos seis primeiros meses de 2021, ainda sob os efeitos da pandemia. Em termos porcentuais, o sobrepreço exigido pela organização criminosa que controla com mãos de ferro o transporte de veículos novos no país soma R$ 1,6 bilhão (cifra 86% maior que a da concorrência). O montante é 633% maior que o total recebido pelas empresas que não integram o esquema investigado pela Polícia Federal, Cade e Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado). Em dinheiro, o ágio é R$ 1,3 bilhão superior aos R$ 255,3 milhões pagos pelas montadoras às transportadoras independentes. Se for considerado o número de veículos transportados no primeiro semestre de 2021, o cartel dos cegonheiros detém 91,3% das cargas.

O cartel dos cegonheiros já foi condenado na Justiça Federal do Rio Grande do Sul. Existe e está sob nova investigação. As duas maiores transportadoras desse esquema (Tegma e grupo Sada) que envolve divisão de mercado, fixação artificial de preços e eliminação da concorrência tiveram as sedes vasculhadas em outubro de 2019 por uma força-tarefa da Polícia Federal, Gaeco e Cade.

O poder do cartel sobre o setor ainda é muito maior que os números acima revelam. Se for levado em conta o valor integral repassado às transportadoras que transformam montadoras em reféns – a Polícia Federal ainda não identificou possível conivência -, a diferença sobre o total recebido pelas transportadoras independentes sobe para R$ 3,8 bilhões, de um total de R$ 4,1 bilhões pagos por fretes (94%). Sob esse enfoque, o cartel recebe das montadoras 16 vezes mais que as transportadoras independentes. Em termos percentuais, a diferença é de 1.611%.

Os valores referem-se a venda de 23 marcas no mercado interno nos seis primeiros meses deste ano. Os dados baseiam-se no número de automóveis e comerciais leves emplacados no período, divulgado oficialmente pela Fenabrave. A equação leva em conta o preço médio de venda de cada modelo de veículo, o custo do frete sobre o valor total dos veículos e o ágio de 40%, conforme conclusão da Polícia Federal no âmbito da Operação Pacto.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "Ágio de cartel é seis vezes maior que faturamento das transportadoras independentes"

  1. Luiz Carlos Bezerra disse:

    É meus amigos que acompanham todas essas brilhantes matérias, divulgadas nesse Portal magnífico.
    Isso sim, é uma Ação Criminosa, a ser divgada no âmbito Jurisdicional desse nosso País.
    Não entendo o porquê, essas Empresas Transportadoras desse Cartel, ainda possuem seus respectivos Alvarás de Funcionamento.
    Esse Cartel só existe por esses motivos. Sem Transportadoras, com os seus líderes devidamente condenados, o sistema certamente seria moralizado!
    Dessa forma, esperamos que as Leis sejam cumpridas e todos os Réus sejam definitivamente PUNIDOS!
    DOA A QUEM DOER!
    “BRASIL ACIMA DE TUDO. DEUS ACIMA DE TODOS!”
    ESSE É O TEMA ATUAL DE NOSSO PAIS!

Os comentários estão encerrados