Alegações dos condenados já foram tema de decisões no STJ e STF, diz desembargador federal

Os argumentos sobre a competência da Justiça Federal, a via judicial inadequada para apurar infrações à ordem econômica e o suposto cerceamento de defesa alegados pelos condenados foram rejeitados pelo vice-presidente do TRF-4 ao negar seguimento aos recursos.

Do Rio Grande do Sul

Ao não admitir o seguimento dos oito recursos apresentados pelo condenados na Ação Civil Pública ajuizada pelo Ministério Público Federal do Rio Grande do Sul, o desembargador federal Fernando Quadros da Silva, vice-presidente do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), manifestou-se sobre as alegações da General Motors do Brasil, Luiz Moan Yabiku Júnior, Sindicato Nacional dos Cegonheiros (SInaceg) e Associação Nacional das Empresas Transportadoras de Veículos (ANTV). Dentre os destaques contidos nos documentos que o site Livre Concorrência teve acesso com exclusividade, o magistrado apontou que quando a atuação administrativa “não existe ou é deficiente” – referindo-se ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) – a função do Judiciário não pode ser afastada ou ser considerada incompatível”.

Especificamente às alegações dos condenados sobre a Justiça Federal, Quadros destacou:

“A atribuição legal do Conselho Administrativo da Defesa Econômica – CADE de prevenção e repressão das infrações contra a ordem econômica na esfera extrajudicial (Lei n.º 8.884, de 11/06/1994) não afasta nem é incompatível com a função do Judiciário de controle e aplicação correta da legislação de regência, quando a atuação administrativa não existe ou é deficiente. Afinal, nenhuma lesão ou ameaça de lesão a direito pode ser excluída da apreciação judicial (artigo 5º, inciso XXXV, da Constituição Federal).”

O vice-presidente do TRF-4 avançou:

É infundada a assertiva de que a via judicial é inadequada à apuração de infrações contra a ordem econômica, porque (i) a pretensão do órgão ministerial é assegurar o restabelecimento da normalidade constitucional econômica no setor da prestação de serviços de transporte de veículos novos pela via rodoviária, o que, em tese, está ao alcance do Judiciário, enquanto órgão estatal encarregado de garantir o efetivo cumprimento das normas legais e coibir lesão a direitos; (ii) não há risco de dupla penalização, na via administrativa e na judicial, que não são excludentes; (iii) a Lei n.º 7.347/1985 prevê, expressamente, a possibilidade de manejo da ação civil pública, com vistas à responsabilização “por infração da ordem econômica e da economia popular (artigo 1º, inciso V), e (iv) não se exige o prévio esgotamento da via administrativa, nem poderia ser o Poder Judiciário impedido de conhecer de qualquer lesão ou ameaça a direito, por estar a mesma matéria em exame e tratamento no seio administrativo. Trata-se da garantia constitucional da inafastabilidade da tutela jurisdicional.”

Sobre a comprovação da existência do cartel, que impõe preços abusivos e inviabiliza a livre concorrência, o desembargador federal ressalta:

Além de a alegação de impossibilidade de declaração de existência de cartel em demanda da qual não participaram as empresas ditas cartelizadas constituir inovação de defesa inviável em sede recursal, o objeto específico desta ação – a conduta dos réus, no setor da prestação de serviços de transporte de veículos novos pela via rodoviária, que impõe preços abusivos e inviabiliza a livre concorrência, com efeitos nefastos sobre os consumidores (abuso do poder econômico) – pode ser sindicado na via judicial, ainda que não figurem no polo passivo da demanda todos agentes econômicos que operam irregularmente no país.”

A totalidade das alegações dos quatro condenados, ao STJ e STF, ainda segundo os documentos assinados pelo vice-presidente do TRF-4, em 17 de janeiro, já foram tema de análise pelos respectivos tribunais federais. Ao todo, General Motors, Luiz Moan, Sinaceg e ANTV ajuizaram oito recursos. Quatro especiais, destinados ao STJ e quatro ao STF.

O desembargador federal Quadros analisa:

A pretensão não merece trânsito, pois o acórdão impugnado harmoniza-se com a jurisprudência consolidada no Superior Tribunal de Justiça, incidindo, na espécie, o óbice da Súmula 83 (não se conhece do recurso especial pela divergência, quando a orientação do tribunal se firmou no mesmo sentido da decisão recorrida), que se aplica também ao permissivo do artigo 105, inciso III, alínea a, da Constituição Federal.”

E sintetiza:

“O recurso não merece trânsito, porquanto a questão suscitada implica revolvimento do conjunto probatório, vedado em recurso especial, nos termos da Súmula nº 07 do Superior Tribunal de Justiça, que assim estabelece: a pretensão de simples reexame de prova não enseja recurso especial.”

E conclui:

“O presente recurso versa sobre matéria(s) já submetida(s) à análise do Supremo Tribunal Federal segundo o regime da repercussão geral, tendo aquela Corte Suprema assim especificado a(s) controvérsia(s): O recurso não merece prosperar, porquanto a análise da questão invocada implicaria reexame de matéria fático-probatória, o que encontra óbice na Súmula 279 do Supremo Tribunal Federal, assim enunciada: Para simples reexame de prova não cabe recurso extraordinário. – Ante o exposto, nego seguimento ao recurso extraordinário quanto aos Temas STF 660 e 339 e não admito o recurso no remanescente.”

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "Alegações dos condenados já foram tema de decisões no STJ e STF, diz desembargador federal"

  1. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

    É, AMIGOS QUE SEMPRE ESTÃO ATENTOS A ESSAS EDIÇÕES MARAVILHOSAS.
    CONTRA OS FATOS ACIMA CITADOS, NÃO EXISTEM DEFESAS.
    MAIS UMA VEZ, PARABENIZO A ESSE EXCELENTE MAGISTRADO, DO TRF-4!
    CUMPRAM AS LEIS, E SALVEM O NOSSO BRASIL!
    NADA MAIS A COMENTAR!

Os comentários estão encerrados