Alinhadas ao cartel dos cegonheiros, seis montadoras pagaram 3,5 bilhões por fretes superfaturados em 2017

Mais de 12 anos depois de a juíza federal Eloy Bernst Justo condenar os primeiros réus por formação de cartel no transporte de veículos novos, a situação pouco mudou. O setor permanece concentrado. Dois grupos (Sada e Tegma) controlam com mãos de ferro mais de 95% desse mercado bilionário. Em 2017, seis montadoras alinhadas ou reféns do cartel dos cegonheiros  gastaram mais de 3,5 bilhões em fretes.

16 de maio de 2018_tabela materia 2

O ágio cobrado por transportadoras identificadas por participar ativamente da associação criminosa que controla o setor, conforme inquéritos da Polícia Federal e Ministério Público Federal, quase chegou a R$ 900 milhões em 12 meses. Vale ressaltar que a estimativa refere-se à meia dúzia de fabricantes de automóveis.

Seis montadoras foram analisadas pelo site Livre Concorrência (General Motors, Volkswagen, Ford, Fiat, Jeep e Renault). A GM é a única marca condenada por crimes praticados contra a economia popular.

Na sentença de 35 páginas proferida em 2006, em ação penal, a juíza Eloy Justo ressaltou os prejuízos causados pelo cartel.

“Os réus firmaram acordo, ajuste ou aliança entre empresas prestadoras de serviço de transporte rodoviário de veículos novos visando à fixação artificial de preços dos fretes praticados em território nacional, impondo valor muito superior ao praticado pelas empresas concorrentes e que seria a média vigente caso houvesse livre concorrência no setor.”

No trecho acima, a magistrada referiu-se à atuação de dirigentes de entidades empresarial e sindical.

Segundo ela, os réus agiram para eliminar a concorrência:

“Os réus abusaram do poder econômico, dominando o mercado de transporte rodoviário de veículos novos mediante ajuste ou acordo firmado entre as empresas prestadoras do serviço que integram a ANTV, os filiados ao SINDICAN e a empresa contratante General Motors do Brasil Ltda., impedindo o funcionamento e o desenvolvimento das empresas concorrentes no setor de transporte de veículos, impondo a exigência, como condição de contratação pela distribuidora de veículos, de que a empresa concorrente fosse filiada à ANTV e de filiação dos motoristas ao SINDICAN, ao mesmo tempo em que a ANTV negava filiação às demais empresas, eliminando a livre concorrência no ramo de transporte rodoviário de veículos novos.”

Os réus condenados são Aliberto Alves (ex-presidente do Sindicato dos Cegonheiros de São Paulo, o Sinaceg), Paulo Roberto Guedes (ex-presidente da Associação Nacional das Empresas Transportadoras de Veículos, a ANTV) e Luiz Moan Yabiku Júnior, ex-diretor para Assuntos Institucionais da General Motors do Brasil.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen