Alvo da Operação Pacto, sindicato capixaba diz à Justiça que vai arrecadar R$ 12 milhões dos associados

Expressivo valor que será administrado pelo Sintraveic-ES já está sendo descontado pela Tegma Gestão Logística e será repassado a advogados para defender associados acusados de incêndios criminosos em caminhões-cegonha de empresas concorrentes do cartel dos cegonheiros. Eles também atuarão em outros processos e investigações.

A deflagração da Operação Pacto – ocorrida em outubro de 2019, quando policiais federais vasculharam, entre outras empresas, a sede do Sindicato dos Cegonheiros do Espírito Santo (Sintraveic-ES) – não intimidou a entidade patronal. Pelo contrário: incentivou a direção a contratar, a peso de ouro dois advogados para sair em defesa não só do próprio sindicato, como também de vários associados, incluindo o presidente Waldelio de Carvalho Santos, acusados em inquérito da Polícia Federal de fazerem parte de uma quadrilha que incendeia criminosamente caminhões-cegonha de transportadoras de veículos concorrentes às do chamado cartel dos cegonheiros. Nada menos do que R$ 12 milhões serão retirados do bolso dos empresários-cegonheiros associados para ser entregues aos advogados Claudio Alba e Rodrigo Ramos. Nesse mesmo inquérito, o proprietário do grupo Sada, Vittorio Medioli, é apontado pela Polícia Federal como o “chefe da quadrilha investigada.

No final da semana passada, o site Livre Concorrência teve acesso, com exclusividade, a documento anexado aos autos da ação movida pela Transtavella & Biaconi – empresa associada à entidade – contra a Tegma Gestão Logística, também alvo da Operação Pacto. Apesar de não constar como parte da ação, o sindicato protocolou petição. Afirma que os associados concordaram em descontar 10% do faturamento bruto para fazer frente aos gastos do sindicato.

Chegou a anexar algumas autorizações do que chama de “frotistas”, mas alguns detalhes chamam a atenção na petição sindical. Um dos exemplos é a cópia da ata de uma reunião na qual consta a data da realização como dois (2) de julho de 2020, quando teria ocorrido a concordância “da maioria”. Em 27 de novembro do mesmo ano, no entanto, o Sintraveic-ES divulgou uma “nota de repúdio” contra os que se opunham ao desconto, identificando a mesma reunião em data diferente, 4 de julho. Mais adiante, a mesma ata revela que uma das missões do dr. Claudio Alba seria “notificar” a Brazul (outro alvo da Operação Pacto, de propriedade do grupo Sada).

Para alguns associados que falaram ao site Livre Concorrência, pedindo para não serem identificados, a expressão “notificar” significa pressionar a empresa Brazul para que também passe a descontar os 10% do faturamento bruto das frotas que estão agregadas a ela, sob o comando do Sintraveic-ES. Há descontentamento entre um grupo de empresários-cegonheiros, principalmente quanto ao valor a ser arrecadado e repassado aos advogados. “Advogado caro esse, parece do PT”, (Partido dos Trabalhadores) chegou a ironizar José Donizete da Silva, diretor do Sinaceg, mais conhecido como Mexicano, proprietário da Mexicano Transportes, que mesmo assim, também autorizou o desconto ao Sintraveic-ES.

Das autorizações assinadas, o site Livre Concorrência teve acesso à do presidente do sindicato dos cegonheiros do Rio de Janeiro, Jardel de Castro. A empresa dele está sediada em São Paulo.

Uma planilha foi entregue pelo Sintraveic-ES ao Judiciário capixaba. No documento, a entidade patronal ressalta que, quando da elaboração da lista, pelo menos 10 empresas ainda não haviam assinado as autorizações de desconto. Apesar de sete delas não terem assinado autorização, a Tegma estava aplicando os descontos. De acordo com a listagem entregue pelo sindicato, os associados repassaram, durante os meses de dezembro do ano passado e fevereiro deste ano, mais de R$ 145 mil aos dois advogados. Procurada pelo site Livre Concorrência, a Tegma não quis se manifestar sobre o assunto.

Operação Pacto
Tegma, Sintraveic-ES, Transcar e empresas do grupo Sada, incluindo a Brazul, foram alvos da Operação Pacto, deflagrada em 17 de outubro de 2019. Policiais federais e agentes do Cade (foto de abertura), com a participação do Gaeco (MP-SP), recolheram quase uma centena de documentos. A operação foi gestada a partir da denúncia feita pela Transilva Logística ao então ministro da Justiça Alexandre de Moraes, que solicitou a investigação.

No Cade, Tegma, Sintraveic-ES, Brazul e Transcar aparecem como representadas no inquérito administrativo que apura eventuais infrações à ordem econômica – formação de cartel. O sindicato patronal capixaba denunciou as empresas por oferecerem benesses (vagas de transportador) a integrantes do sindicato para que promovessem manifestações violentas contra a concorrente Transilva. O documento foi usado como moeda de barganha para a conquista das vagas de transportadores, mas a denúncia acabou chegando à autoridade antitruste que deu início às investigações em 2016.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Combate aos cartéis Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

5 comentários sobre "Alvo da Operação Pacto, sindicato capixaba diz à Justiça que vai arrecadar R$ 12 milhões dos associados"

  1. Jorge Francisco disse:

    O que mais chama atenção nessa reportagem é um presidente que foi imposto pela Tegma a presidir uma entidade se propõe a descontar sem autorização do frotista uma quantia super absurda para cobrir gastos astronômicos com advogados para defender pessoas que em muitos casos não têm nada a ver com o setor, haja vista que graças a ganância de um pseudo presidente em meter os pés pelas mãos. Quem vai pagar a conta são os frotistas discriminados do ES, o que não é justo, pois os mesmos têm um faturamento irrisório e esse desconto vai fazer falta para o mesmo se manter. Se o presidente fez toda essa trapalhada para tentar se fortalecer pessoalmente com o cartel, nada mais justo que as empresas paguem pelos seus erros, a partir do momento que ele faz vaquinha para cobrir gastos com defesa já esta assumindo toda culpa e responsabilidade.

    1. Samanta Bianconi Tavella disse:

      É meu velho Mestre onde foi que os valores se perderam?
      Onde a força desta categoria se esgotou ??
      Ainda resta um último grito de esperança!!!

  2. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

    É MEUS AMIGOS BATALHADORES, QUE SEMPRE FORAM EXCLUÍDOS DE PRESTAR SEUS SERVIÇOS, NO DESEMPENHO DE SUAS FUNÇÕES LÍCITAS, DENTRO DO NOSSO PAÍS, COM SEUS TRANSPORTES DE VEÍCULOS NOVOS PRODUZIDOS HÁ TANTOS ANOS. ONDE FORAM VÍTIMAS DESSA ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA, JÁ APONTADA COMO VERÍDICAS, COMANDADA POR UM ITALIANO, QUE É PROPRIETÁRIO DE 04 TRANSPORTADORAS VINCULADAS AO CARTEL, JUNTAMENTE COM A TEGMA, QUE É ALEMÃ.
    A PERGUNTA QUE FICA NO AR É A SEGUINTE: POR QUÊ ELES AINDA ATUAM, COM MÃOS DE FERRO, ATÉ OS DIAS DE HOJE?
    SE UMA MILÍCIA ATUA DE FORMA CRIMINOSA, POSSUI MUNIÇÕES PARA ASSASSINAR SEUS ADVERSÁRIOS, DA MESMA FORMA, ESSAS EMPRESAS TAMBÉM POSSUEM ESSAS MUNIÇÕES, QUE SÃO DENOMINADAS DE: ALVARÁS DE FUNCIONAMENTOS.
    POR QUÊ A JUSTIÇA NÃO DÁ FIM A ESSES “ARMAMENTOS”, PERMITINDO QUE ESSAS TRANSPORTADORAS DO CARTEL, AINDA POSSAM ATUAR, ATÉ OS DIAS DE HOJE?
    AO CANCELAR ESSAS “MUNIÇÕES”, O CARTEL CERTAMENTE DEIXARIA DE EXISTIR E, SEUS PROPRIETÁRIOS, SERIAM DEVIDAMENTE PUNIDOS, NAS FORMAS DAS LEIS!
    ESSES FATOS SÃO VERGONHOSOS PARA AS ATIVIDADES A FIM!
    VCS NÃO ACHAM?
    A JURISPRUDÊNCIA AO MEU VER, JÁ DEVERIA TER ATUADO DESSA FORMA, POIS CORTARIA O “MAL PELA RAIZ”, NÃO É MESMO.
    CUMPRAM-SE AS LEIS! DOA A QUEM DOER!
    E PONTO FINAL”
    ESSAS MATÉRIAS DIVULGADAS NESSE PORTAL, É A ÚNICA QUE REALMENTE DEFENDE A CLASSE, CONTRA ESSE CARTEL MALÍGNO. SENDO ASSIM, SÓ NOS RESTA PARABENIZAR O NOBRE REDATOR CHEFE DO MESMO!

    1. Samanta Bianconi Tavella disse:

      A luta travada na justiça é realmente gravíssima , visto que temos tanta corrupção em nosso País!!
      Lamentável que as correntes da justiça se quebrem perante aos pagamentos de proprina para que o que deveria ser certo se perca pelo tempo que nada espera

  3. Samanta Bianconi Tavella disse:

    Em Nome da Familia Bianconi Tavella, da empresa Transtavella e Bianconi e da transportadora autónoma capixaba que somos venho repudiar os atos praticados por esta entidade Sindical .
    Estou sendo ameaçada, perseguida mas a Voz do meu Pai não se calou com a morte dele, o Presidente Sr Ivan Demarque Tavella, que morreu assassinado em virtude da função que possuía e por defender a Lei e a voz dele também não vai se calar com a minha morte.
    Nenhum mal prevalecera contra o Bem!!
    Fora corruptos e levem sua corja junto de vcs.

Os comentários estão encerrados