Apelações contra condenação da General Motors e outros três réus por formação de cartel estão paradas há 27 meses no TRF-4

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), com sede em Porto Alegre (RS), é tido como um dos mais céleres do país. O prazo médio para que desembargadores federais julguem recursos contra condenações de Primeira Instância é de um ano e meio (18 meses). No entanto, no caso dos quatro réus condenados por formação de cartel no transporte de veículos novos na Ação Civil Pública movida pelo Ministério Público Federal gaúcho, a regra geral não está sendo cumprida. Os recursos estão aguardando julgamento há mais de 27 meses (dois anos e três meses). Autuados em 21 de fevereiro de 2017, foram colocados em pauta pela desembargadora-relatora Vivian Josete Pantaleão Caminha, da 4ª Turma, na sessão de 24 de abril deste ano. Uma semana depois de pedir a inclusão na pauta, no entanto, a própria relatora desistiu da ideia, argumentando a necessidade de estudar melhor o processo.

A ACP foi ajuizada pelo MPF do Rio Grande do Sul em 2002. Depois de investigar o setor durante dois anos e tendo como ponto de partida denúncia do Sindicato dos Cegonheiros do Rio Grande do Sul (Sintravers), procuradores da República concluíram pela existência do cartel dos cegonheiros, amparados por transportadoras associadas à Associação Nacional das Empresas Transportadoras de Veículos (ANTV), contando com o apoio de braço político liderado pelo Sindicato Nacional dos Cegonheiros (Sinaceg, ex-Sindicam). Passaram a ser réus, a General Motors do Brasil, Luiz Moan Yabiku Júnior (diretor da montadora à época), ANTV e Sinaceg. Todos foram condenados 14 anos depois.

A sentença condenatória foi exarada pelo juiz federal Altair Antonio Gregorio, em março de 2016. General Motors foi condenada ao pagamento de multa equivalente a R$ 250 milhões; Luiz Moan, multa de R$ 2,5 milhões; ANTV, multa de R$ 5 milhões e encerramento das atividades, e Sinaceg, pagamento de multa no valor de R$ 300 mil. Condenados e autor recorreram.

MPF quer o encerramento das atividades da ANTV e do Sinaceg, além da majoração da multa aplicada (a ser paga rateadas entre os associados), no valor de R$ 15,9 milhões para as duas entidades. Para a montadora, os procuradores defendem a aplicação de multa de R$ 1,1 bilhão. Para Luiz Moan, R$ 11 milhões. Não há prazo para que os recursos sejam julgados.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen