Associação de CFCs é alvo de mandados de busca e apreensão em Florianópolis

Suposto cartel fixava preços e condições de pagamentos dos serviços necessários para consumidores obterem a Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

A sede de uma associação que reúne Centros de Formação de Condutores (CFCs) em Florianópolis (SC) foi alvo de mandados de busca e apreensão na última quarta-feira (27). A diligência foi autorizada pela Justiça Federal. Ao todo, 11 servidores do Cade, do Ministério Público de Santa Catarina, do Instituto de Criminalística e da Justiça Federal participaram da ação. Segundo apurações dos órgão envolvidos, a entidade estaria influenciando os CFCs a atuar como um cartel no ensino teórico-técnico e prático de direção para obtenção da Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

Os investigados, conforme informação divulgada pelo Cade, poderão responder por infrações contra a ordem econômica previstas na Lei de Defesa da Concorrência, crimes contra a ordem econômica, associação criminosa e outros delitos que eventualmente forem constatados no curso da investigação.

De acordo com as investigações preliminares, a prática ocorria durante a realização das assembleias e reuniões da associação. Nesses eventos os CFC’s seriam influenciados a adotar conduta uniforme utilizando tabelas de preços e de condições de pagamentos dos serviços, prejudicando os consumidores do serviço.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "Associação de CFCs é alvo de mandados de busca e apreensão em Florianópolis"

  1. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

    UM VERDADEIRO ABSURDO!
    TODOS OS INTEGRANTES DESSE SISTEMA DEVERÃO SER SUMARIAMENTE PRESOS!
    A CONSTITUIÇÃO FEDERAL PROÍBE ESSA PRÁTICA ABUSIVA!

Os comentários estão encerrados