Bradesco firma acordo com Cade e se compromete a pagar R$ 23 milhões por prática anticompetitiva

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) firmou acordo com o Bradesco em investigação sobre práticas anticompetitivas contra o GuiaBolso. O Tribunal homologou Termo de Compromisso de Cessação (TCC) por meio do qual o banco se compromete a interromper as condutas apuradas e a pagar aproximadamente R$ 23,8 milhões em contribuição pecuniária.

O acordo foi firmado em processo administrativo que apurou abuso de posição dominante e recusa de contratação pelo Bradesco, em desfavor do Guiabolso, o que prejudicou o exercício de atividade econômica da empresa e, por consequência, a livre concorrência no mercado de serviços financeiros.

Para o Tribunal do Cade, o acordo proposto pelo Bradesco soluciona os problemas identificados, pois facilita a portabilidade ao GuiaBolso dos dados dos clientes do banco que desejarem e declararem de maneira expressa. Assim, com o acordo, serão criadas possibilidades para melhores serviços, redução de preços e aumento de quantidade a partir do acirramento da rivalidade nesse mercado.

O presidente do cade, Alexandre Barreto, escreveu no despacho:

“Na linha do exposto pela SG/Cade, entendo que o presente acordo, ao viabilizar uma solução acordada e imediata, anterior à plena vigência do open banking no Brasil, gerará efeitos potencialmente benéficos e pró-competitivos no mercado de serviços financeiros brasileiro, ao ir ao encontro do planejado pelo regulador para este mercado com a política supracitada, a qual visa, sobretudo, o incremento da concorrência no setor em destaque, em benefício dos consumidores brasileiros.”

Entenda o caso
A investigação do caso teve início em julho de 2018, a partir de representação da Secretaria de Promoção da Produtividade e Advocacia da Concorrência (Seprac), do então Ministério da Fazenda, atual Ministério da Economia. A Seprac apontou que o GuiaBolso depende das informações controladas pelo Bradesco para oferecer a seus usuários o serviço de auxílio de gestão financeira. Além disso, ao viabilizar a oferta de crédito por diversas instituições financeiras em sua plataforma, o GuiaBolso disponibiliza serviços complementares que concorrem com parte dos serviços oferecidos pelo banco.

O Cade apurou, durante a investigação, que os usuários do GuiaBolso que são clientes de outras instituições financeiras autorizam o acesso a suas informações bancárias inserindo as respectivas senhas no aplicativo. Os clientes do Bradesco, por sua vez, não conseguiam inserir diretamente seus dados na plataforma porque o banco instituiu uma senha randômica adicional para o acesso a suas contas-correntes. Para a Superintendência, havia evidências de infração à ordem econômica, tendo em vista que a prática do Bradesco restringiria a oferta de serviços por fintechs que dependam de dados bancários de seus usuários, em prejuízo à livre iniciativa e à livre concorrência. (com informações do Cade.)

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Combate aos cartéis Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "Bradesco firma acordo com Cade e se compromete a pagar R$ 23 milhões por prática anticompetitiva"

  1. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

    PREZADOS AMIGOS. ESSA HISTÓRIA DE DEIXAREM SEUS DADOS À DERIVA, É MUITO PERIGOSO.
    TAIS RECURSOS DEVEM SER SUMARIAMENTE CONFIDENCIAIS, ENTRE VC E O BANCO AO QUAL ÉS CORRENTISTA.
    SENDO ASSIM, EVITEM SE EXPOR, POIS A BANDIDAGEM É MUITO PODEROSA, PARA CONSEGUIR SUAS INFORMAÇÕES PESSOAIS!
    BANCO PRESTA SERVIÇO AO CLIENTE. NÃO É O CLIENTE QUE PRESTA SERVIÇOS AOS BANCOS!
    PENSEM NISSO, AO NEGOCIAREM QUAISQUER ASSUNTOS COM AS GERÊNCIAS DOS MESMOS!

Os comentários estão encerrados