Brazul é condenada por participação nos bloqueios à fábrica da Caoa-Chery

Decisão do magistrado inocentou o Sindicato Nacional dos Cegonheiros (Sinaceg) por fragilidade nas provas. Transportadora condenada – integrante do grupo Sada – terá de pagar honorários a advogados da Transportes Gabardo. Por sua vez, segundo a sentença, a empresa gaúcha deverá pagar honorários a defensores da entidade sindical patronal. Já houve recurso.

O juiz Samir Dancuart Omar, da 2ª Vara Cível da Comarca de Jacareí (SP), condenou a Brazul Transportes de Veículos, de propriedade do grupo Sada, por participação nos bloqueios ocorridos nas proximidades da fábrica da Caoa-Chery, localizada no município paulista. Os atos ocorreram em outubro de 2018. A sentença, de 14 páginas, é de 16 de novembro do ano passado, mas o site Livre Concorrência só teve acesso nesta semana.

Fundamentando a decisão, o magistrado esclareceu que a lei 11.442/2007, estabelece em seu artigo 8ª, que “o transportador é responsável pelas ações ou omissões de seus empregados, agentes, prepostos ou terceiros contratados ou subcontratados para a execução dos serviços de transporte, como se essas ações ou omissões fossem próprias”. Houve condenação nas custas e em honorários advocatícios.

A ação inibitória – obrigação de não fazer – foi movida pela Transportes Gabardo contra a Brazul e o Sinaceg, tendo em vista os bloqueios violentos ocorridos na época, que impediram a empresa gaúcha de realizar o escoamento da produção da montadora Caoa-Chery. A Justiça concedeu liminar determinando o imediato desbloqueio. Houve resistência, mas a decisão foi cumprida. Ao decidir pela improcedência do pedido em relação ao Sinaceg, tendo em vista a fragilidade das provas, o julgador justificou:

“Não se verifica, portanto, a existência de prova suficiente da participação ou mesmo do auxílio do Sinaceg na manifestação havida. O mesmo não se conclui, todavia, com relação a corré Brazul.”

Quanto à participação da Brazul nos movimentos de bloqueio, Omar cita:

“Ainda que se considere que a relação decorrente do contrato de transporte de cargas possui natureza comercial, não ensejando a caracterização de vínculo de emprego, por falta de vínculo de subordinação, não se mostra crível que a ré, ciente da manifestação realizada por motoristas que, em sua maioria ostentavam nos veículos utilizados o adesivo com o logotipo da própria empresa, permaneceu inerte e não realizou qualquer interferência, seja para apoiar os carreteiros, seja para tentar convencê-los a cessar o bloqueio que também tinha o condão de impedir o acesso a seu pátio de operações.”

O magistrado também impôs, pela sentença, a divisão do pagamento das custas em 50% para cada uma das partes, autora (Gabardo) e ré (Brazul). Omar concluiu ainda, que caberá à Brazul, o pagamento de 10% sobre o valor da causa atualizado, ao advogado da Gabardo, a qual terá de arcar com o mesmo percentual aos defensores do Sinaceg.

A mobilização contra a Gabardo em 2018 foi deflagrada após transportadoras vinculadas ao cartel dos cegonheiros perderam as cargas da Chery – antes do grupo Caoa assumir o controle acionário -, após processo que privilegiou preço e condições técnicas dos concorrentes. As empresas que detinham o transporte anterior, foram desclassificadas.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "Brazul é condenada por participação nos bloqueios à fábrica da Caoa-Chery"

  1. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

    POIS É, MEUS CAROS AMIGOS QUE SEMPRE ACOMPANHAM ESSAS BRILHANTES MATÉRIAS, DESSE PORTAL.
    DE FATO, A BRAZUL DEVERIA SER CONDENADA REALMENTE, POIS OS VÂNDALOS QUE EFETUARAM OS BLOQUEIOS NO ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO DESSA MONTADORA, JÁ HAVIA CONTRATADO A EMPRESA GABARDO, QUE NÃO FAZ PARTE DO CARTEL DOS CEGONHEIROS, LOGO, “ATINGIU A VEIA DO SISTEMA CRIMINOSO!”, SENDO ASSIM, MANDARAM BLOQUEAR O CITADO ESCOAMENTO.
    SÓ QUEM NÃO CONHECE ESSE SISTEMA CRIMINOSO, PODERIA AFIRMAR QUE ESSA TRANSPORTADORA (A BRAZUL), SERIA INOCENTE, POIS O PROPRIETÁRIO DESSA EMPRESA, É O GRANDE CHEFE DESSA FACÇÃO CRIMINOSA, ALÉM DE MAIS OUTRAS 03, INCLUINDO A TEGMA (EMPRESA ALEMÃ). NENHUM CARRETEIRO AGE POR CONTA PRÓPRIA, ELES SÓ ATUAM COM ORDENS SUPERIORES, POIS TEMEM PERDEREM SEUS EMPREGOS. SÓ QUE SÃO PROIBIDOS DE MENCIONAR O NOME DO MANDANTE.
    QUANTO AO SINACEG (QUE SE INTITULA INCONSTITUCIONALMENTE COMO “SINDICATO NACIONAL”), TAMBÉM SEGUE AS DIRETRIZES DO LÍDER MAIOR, QUE NEM PRECISAMOS CITAR SEU NOME, NÃO É MESMO?
    ESSE SINDICATO JAMAIS PODERIA TER SIDO INOCENTADO, POIS ELE É O GRANDE BRAÇO FORTE DO CARTEL DOS CEGONHEIROS!
    INSTITUIR ALGUM CUSTO À TRANSPORTADORA GABARDO, AO MEU VER, TAMBÉM TERIA SIDO INDEVIDO! ESSA É A MINHA OPINIÃO!
    CUMPRAM-SE AS LEIS!
    DOA A QUEM DOER!

Os comentários estão encerrados