BR Logis enfrenta barreiras e infiltrações que dificultam permanência da empresa no mercado

Acionista convoca assembleia de emergência para definir os destinos da empresa. As dificuldades são criadas por barreiras impostas por concorrentes que controlam o bilionário mercado de transporte de veículos novos, mas com interferência direta até no transporte de seminovos e usados.

De São Paulo

Os nefastos efeitos da concorrência desleal colocados em prática por investigados – pessoas físicas e jurídicas – por suposto envolvimento no cartel dos cegonheiros atingem não apenas o transporte de veículos novos como também o de seminovos e usados. Soma-se a isso, a suposta “interferência do setor, o que tem causado sérios problemas na administração”. Há suspeita de “infiltração, com o tráfico de informações consideradas sensíveis comercialmente”, segundo revelou, com exclusividade, uma fonte. A BR Logis Transporte de Veículos SA foi criada em 2020 (Foto de abertura/Divulgação/Sítio da empresa), para ser uma “alternativa”, e está enfrentando sérias dificuldades para se manter no mercado, tendo em vista ações anticoncorrenciais intentadas até mesmo por associados a um grande sindicato de cegonheiros, também acionistas da empresa. A fonte negou-se, “num primeiro momento”, a revelar o nome.

A preocupação levou um dos sócios a convocar assembleia de urgência do Conselho de Administração para o dia 6 de março, às 14 horas, na sede da BR Logis, tendo como uma das principais pautas avaliar, inclusive, “a venda dos ativos da empresa”. Dois documentos encaminhados à redação revelam que as dificuldades de a empresa manter-se no mercado e abrir novos horizontes têm relação direta com ações anticoncorrenciais que atingem não só o segmento de transporte de veículos novos, como os de seminovos também. O material menciona que a Brlogis foi criada por um grupo de pessoas visando oferecer ao mercado de transporte de veículos uma alternativa às empresas que, “há anos dominam o mercado”. Os documentos tiveram autenticidade comprovada pelo site Livre Concorrência.

Ainda segundo a fonte, acionista da empresa, que pediu para não ser identificada temendo represálias, “com intuito de obter informações e segurar seu avanço, alguns sócios, membros do alto escalão desse sindicato – não quis citar ainda os nomes — atualmente são membros do conselho da BR atuam na empresa com o aparente intuito de enfraquecê-la”.

Ele acrescenta:

“Houve vários encontros com esses conselheiros que em momento algum foram capazes de tomar decisões. Todos os temas abordados ficam pendentes de solução e isso tem afetado severamente o crescimento da marca.”

E ressalta:

“Ainda que pareça estranho, porque os conselheiros são sócios, os assuntos considerados sigilosos comercialmente, aparentemente saem da empresa para serem avaliados por forças maiores.”

A BR Logis é considerada, na linguagem dos cegonheiros, como uma das “gatas”. Na volumosa documentação apreendida pela Polícia Federal no âmbito da Operação Pacto, policiais federais consideraram relevante, e-mail enviado pelo proprietário do grupo Sada, Vittorio Medioli, autorizando um desconto de 60% no frete retorno, visando “desbancar as gatas e outros”.

De acordo com a Junta Comercial do Estado de São Paulo, a BR Logis é uma sociedade anônima de capital fechado. A empresa tem como presidente, Carlos André Gomes da Silva. No passado, Carlos André foi proprietário da Transandré, adquirida pela Sada. Tempos depois, foi contratado como executivo da Autoservice – empresa controlada pela Sada e um dos alvos de buscas e apreensões da Operação Pacto. O empresário, segundo a mesma fonte, foi demitido por telefone, uma semana após recuperar-se de um infarto, que lhe deixou 15 dias hospitalizado. Em 2020, Carlos André criou a BR Logis, juntamente com um grupo de acionistas, todos ligados ao setor de transporte de veículos. O empresário é sobrinho de José Ronaldo Marques da Silva, o Boizinho, presidente do Sindicato Nacional dos Cegonheiros (Sinaceg), alvos de buscas e apreensões no âmbito da Operação Ciconia, segunda fase da Operação Pacto.

A reportagem tentou contato com o empresário, mas não obteve retorno.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "BR Logis enfrenta barreiras e infiltrações que dificultam permanência da empresa no mercado"

  1. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

    MEUS NOBRES AMIGOS, QUE SEMPRE LEEM ESSAS MATÉRIAS BOMBÁSTICAS, LÍCITAS E DE PERSONALIDADE MORAL E CÍVICA.
    FICA EVIDENTE QUE TODOS ESSES CRIMES, PRATICADOS PELO CARTEL DOS CEGONHEIROS, SEMPRE FOI COMANDADO PELOS MESMOS PERSONAGENS, QUE SE FINGEM SEREM CIDADÃOS DE BEM, MAS NÃO SÃO MESMO. ELES SÓ PENSAM EM LUCRAR MUITO E DESTRUIR AS LEIS CONSTITUCIONAIS DENOMINADA COMO A “LIVRE CONCORRÊNCIA”, CAUSANDO PREJUÍZOS AOS CONCORRENTES, ATÉ MESMO PROIBINDO-OS DE EXERCEREM SUAS ATIVIDADES PROFISSIONAIS NO RAMO DE TRANSPORTES DE VEÍCULOS 0(ZERO) KM E ATÉ MESMO DOS SEMINOVOS, NOS RETORNOS ÀS SUAS BASES ORIGINAIS.
    SENDO ASSIM, CABE A JURISPRUDÊNCIA EXTERMINAR ESSE CARTEL, PUNINDO-O DE FORMA FINITA DE ATUAR EM NOSSA NAÇÃO BRASILEIRA, FECHANDO ATÉ MESMO O SINACEG, SINDICATO DO CARTEL, QUE SE INTITULA COMO SENDO “NACIONAL”, DE FORMA INCONSTITUCIONAL TAMBÉM.
    NEM PRECISAMOS MAIS CITAR, QUEM SERIA O PRINCIPAL LÍDER DESSA TERRÍVEL FACÇÃO CRIMINOSA, NÃO É MESMO?
    BASTA LEREM VÁRIAS MATÉRIAS EDITADAS NESSE PORTAL, SOBRE ESSE TEMA!
    NUNCA VIMOS OU OUVIMOS FALAR, QUE EXISTAM REDES JORNALÍSTICAS, ALÉM DESSE BRILHANTE PORTAL, PUBLICAR NOTÍCIAS SOBRE ESSE TEMA. POR ESSE MOTIVO É QUE PARABENIZO EM MUITO, O EDITOR CHEFE SR. ÍVENS CARÚS, QUE JÁ SOFREU MUITOS ATAQUES DO LÍDER DESSA FACÇÃO CRIMINOSA (O CARTEL DOS CEGONHEIROS), MAS NUNCA OBTEVE SUCESSO JUDICIAL.
    O PIOR DE TUDO ISSO, É SABERMOS QUE ESSE LÍDER EXERCE AS FUNÇÕES POLÍTICAS, COMO PREFEITO DE UM MUNICÍPIO DO ESTADO DE MINAS GERAIS, FATO ESSE QUE JÁ DEVERIA TER SOFRIDO O IMPEACHMENT DESSAS FUNÇÕES, HÁ MUITO TEMPO. NÃO É MESMO?
    DURA LEX, SED LEX!
    NADA MAIS A COMENTAR!

Os comentários estão encerrados