Cade condena cartel que atuava no mercado nacional de tubos e conexões

Investigações apontam que 44 licitações públicas e privadas foram manipuladas, sendo 11 no setor de gás e 33 no setor de saneamento, prejudicando 30 clientes. As multas determinadas pelo Tribunal somam R$ 33,1 milhões.

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) condenou duas pessoas jurídicas (Brastubo e Poly Easy do Brasil) e três pessoas físicas por formação de cartel no mercado de tubos e conexões usados em redes de saneamento, água, esgoto e gás no Brasil. As multas determinadas pelo Tribunal somam R$ 33,1 milhões. O julgamento ocorreu em 27 de abril.

O processo foi instaurado em 2016 pela Superintendência-Geral do Cade (SG/Cade) com o objetivo de apurar acordo ilícito firmado entre empresas para burlar licitações públicas e privadas destinadas à aquisição de tubos e conexões do tipo polietileno de alta densidade (PEAD) destinados ao fornecimento de gás. A investigação contou com a colaboração de membros do cartel que celebraram acordo de leniência e Termos de Cessação de Conduta (TCCs) com a autarquia.

Por meio de celebração de TCC firmado com a empresa Polierg, constatou-se que os acordos anticompetitivos também prejudicaram o mercado de tubos e conexões utilizados para saneamento de água e esgoto. As investigações revelaram que houve manipulação em 44 licitações públicas e privadas, sendo 11 no setor de gás e 33 no setor de saneamento. A apuração também trouxe à tona que 30 clientes foram prejudicados pela prática anticompetitiva adotada pelas empresas e pessoas investigadas.

Em seu voto, a conselheira Lenisa Prado, relatora do caso, ressaltou o robusto acervo probatório do processo:

“Existem incontáveis provas que demonstram que esse cartel existiu e atuou de 2004 a 2015, tendo por objetivo fixar preços no mercado, fazer uma divisão de clientes e decidir como os lotes em concorrência pública e privada seriam divididos entre os integrantes do conluio.”

Pela participação nas condutas anticompetitivas, o Tribunal do Cade determinou a condenação da Brastubo, Poly Easy e três pessoas físicas, aplicando multas no valor total de R$ 33.175.456,52.

Em razão da declaração de cumprimento das obrigações previstas no acordo de leniência, o colegiado decretou a extinção da ação punitiva em favor da Tigre e sete pessoas físicas ligadas à empresa. No que diz respeito à FGS Brasil, Polierg e quatro pessoas físicas, o plenário determinou o arquivamento do processo devido ao cumprimento integral dos Termos de Cessação de Conduta (TCCs) assinados por elas.

Por fim, o Conselho também determinou o encaminhamento do caso à SG/Cade para instauração de novo inquérito administrativo contra as empresas Poly Easy Comercial, Kanaflex Indústria de Plásticos e Politejo Brasil – Indústria de Plásticos, além quatro pessoas físicas, para que sejam apurados os indícios que surgiram durante a investigação do processo.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "Cade condena cartel que atuava no mercado nacional de tubos e conexões"

  1. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

    TODO CARTEL EXISTENTE EM NOSSO PAÍS, DEVE SER DEFINITIVAMENTE BANIDO E, SEUS LIDERES DEVERÃO SER DEVIDAMENTE PRESOS!
    DOA A QUEM DOER!

Os comentários estão encerrados