Cade condena órgão gestor de mão de obra e mais sete empresas por práticas anticompetitivas no Porto de Belém do Pará

Inquérito concluiu que investigados instituíram cobrança de taxa inicial e mensalidade adicional para novos operadores portuários. Tribunal do Cade entendeu que não existia justificativa para essa arrecadação. Taxa também causou efeitos anticoncorrenciais. As multas aplicadas somam R$ 4,7 milhões.

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) condenou o Órgão Gestor de Mão de Obra do Trabalho Portuário Avulso de Belém e Vila do Conde (OGMO-BVC) e sete operadores portuários por práticas anticompetitivas. As multas aplicadas somam R$ 4,7 milhões. O caso teve início a partir de denúncia da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) que informou ao Cade que o OGMO-BVC cobrava uma taxa inicial (conhecida como “joia”) de novos operadores portuários, prejudicando a concorrência no setor.

Segundo a investigação do Cade, foi verificado que o OGMO-BVC e alguns associados instituíram cobrança de taxa inicial e mensalidade adicional (“joia”) a novos operadores portuários. As “joias” em diferentes formatos e valores foram instituídas mediante deliberações dos associados em assembleias gerais.

O Tribunal do Cade concluiu que uma das taxas previstas em assembleia teria potencial de causar efeitos anticoncorrenciais, sem que existisse justificativa para a cobrança. Por essa razão, condenou o OGMO-BVC e outros operadores pela conduta que prejudicou a concorrência no setor.

Em seu voto, o conselheiro Luiz Hoffmann deliberou pela condenação das empresas OGMO-BVC, Amazon Logistics, BF Fortship Agência Marítima (Novad Agência Marítima), Majonav Navegação, Albras Alumínio Brasileiro, Movimento Transporte e Locação de Máquinas, Santos Brasil Participações e Norte Trading Operadora Portuária pelas práticas anticompetitivas. Ele escreveu:

“Ao meu ver, os elementos dos autos apontam que a cobrança da taxa de admissão instituída por meio da assembleia realizada em 2014, tendo por motivação principal o custeio do passivo passado, acabou por repassar custos dos operadores incumbentes aos operadores entrantes (transferência de renda) sem guardar qualquer razoabilidade.”

Entenda o caso
Os Órgãos Gestores de Mão de Obra Portuária (OGMO) são responsáveis pela administração e fornecimento de trabalhadores portuários com vínculo empregatício permanente ou avulsos. O cadastro desses trabalhadores é realizado com exclusividade por esses órgãos. De acordo com a Lei 12.815/2013, as atividades portuárias tipificadas na norma somente podem ser exercidas por profissionais registrados no OGMO. Neste cenário, a entrada de qualquer novo interessado no mercado de operadores portuários no Porto de Belém do Pará implica associação automática ao OGMO-BVC.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "Cade condena órgão gestor de mão de obra e mais sete empresas por práticas anticompetitivas no Porto de Belém do Pará"

  1. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

    É MUITO TRISTE AVERIGUARMOS QUE EM QUASE TODOS OS SETORES PRODUTIVOS DE NOSSO PAÍS, EXISTAM FACÇÕES CRIMINOSAS, NÃO É MESMO?
    O CADE ATUA EM SUAS INVESTIGAÇÕES, APONTAM AS FALHAS ALARMANTES E NADA É FEITO EM PROL DAS VÍTIMAS.
    ATÉ QUANDO O NOSSO PAÍS VAI FICAR REFÉM DESSES CRIMINOSOS?
    OU O BRASIL SE AJEITA, OU NUNCA VAI SER CONSIDERADO EM NÍVEL MUNDIAL DE REQUINTE E SERIEDADE.
    ONDE ESTÃO AS LEIS, QUE NÃO SÃO SEGUIDAS. ONDE ESTÃO AS JUSTIÇAS?
    QUAL É O ÓRGÃO FEDERAL QUE DEVE AGIR NESSES CASOS?

Os comentários estão encerrados