Cade instaura processo para investigar cartel no mercado de produtos e serviços de inteligência de negócios

Mais um acordo de leniência firmado pelo Cade e por uma empresa investigada comprovou práticas anticompetitivas e formação de cartel. Desta vez o conluio não foi flagrado no transporte de veículos novos, mas em licitações públicas e privadas de produtos e serviços de inteligência de negócios (business intelligence).

De Brasília

A exemplo da Operação Pacto – na qual o Cade comprovou formação de cartel entre as duas maiores transportadoras de veículos novos (Sada e Tegma) e a Polícia Federal confirmou as conclusões da autarquia responsável pela defesa da concorrência no país – os caminhos das apurações realizadas por esses dois órgãos voltaram a se cruzar. A Superintendência-Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (SG/Cade) instaurou processo administrativo para investigar suposto cartel em licitações públicas e privadas de produtos e serviços de inteligência de negócios (business intelligence). Os alvos são as vendas de licenças e o fornecimento de serviços de manutenção e consultoria nesse setor. As condutas apuradas pela autarquia são também objeto das operações Gaveteiro e Circuito Fechado, realizadas pela Polícia Federal, bem como de relatório elaborado pela Controladoria Geral da União (CGU). Toda a documentação obtida no âmbito das operações mencionadas foi compartilhada com o Cade pelo Poder Judiciário.

A investigação em curso se iniciou na SG/Cade, a partir de celebração de Acordo de Leniência com a empresa Microstrategy Brasil, que voluntariamente reportou condutas ao Cade após a condução de uma investigação interna.

São investigadas 18 empresas, além de 25 pessoas físicas, que teriam combinado entre si a divisão de contratos e combinado preços e condições comerciais referentes a licitações promovidas por órgãos e empresas públicas federais e estaduais. Entidades privadas também foram vítimas do esquema. O cartel atuava em todo o país, mas concentrava suas ações no Distrito Federal e nos estados de Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, São Paulo e Santa Catarina.

Com a instauração do processo administrativo, os representados serão notificados para apresentar suas defesas. Ao final da instrução, a Superintendência-Geral opinará pela condenação ou arquivamento do caso. As conclusões serão encaminhadas ao Tribunal do Cade, responsável pela decisão final.

Em caso de condenação, as empresas representadas estão sujeitas a multas administrativas que variam de 0,1% a 20% dos respectivos faturamentos, além de outras eventuais penalidades acessórias. A signatária receberá imunidade total quanto a multas se, ao final do processo administrativo, o Tribunal do Cade confirmar que as obrigações do Acordo de Leniência foram cumpridas.

As pessoas físicas envolvidas também ficam sujeitas a multas, que variam de R$ 50 mil a R$ 2 bilhões. No caso de pessoas físicas administradoras, a multa varia de 1% a 20% do valor aplicado às empresas.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "Cade instaura processo para investigar cartel no mercado de produtos e serviços de inteligência de negócios"

  1. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

    SÓ TEMOS É QUE PARABENIZAR ESSE PORTAL BRILHANTE, COMO SEMPRE, POR SUAS MATÉRIAS E, AO CADE, POR SUAS DECISÕES À RESPEITO DESSAS “ORGANIZAÇÕES CRIMINOSAS”, AINDA EXISTENTES EM NOSSO PAÍS: “OS CARTÉIS”. SEJAM ELES QUAIS FOREM, DEVEM SER URGENTEMENTE BANIDOS DO NOSSO BRASIL, DE FORMA FINITA!
    CUMPRAM-SE AS LEIS E, PROTEJAM A NOSSA “CONSTITUIÇÃO FEDERAL”, QUE VEM SENDO VIOLADA HÁ ALGUM TEMPO!
    NADA MAIS A COMENTAR!
    SALVEM O NOSSO PAÍS!

Os comentários estão encerrados