Cade não reconhece teor de escritura pública amparada em acordo firmado entre ex-sindicalista e Vittorio Medioli

Órgão antitruste ressalta que as informações apresentadas em depoimento prestado por Afonso Rodrigues de Carvalho contradizem frontalmente suas manifestações anteriores.

De Brasília

No início de 2021, Afonso Rodrigues de Carvalho abandonou a luta contra o cartel dos cegonheiros e passou a integrar a organização que atacou por mais de duas décadas. A súbita mudança de lado foi registrada em escritura pública, na qual o ex-líder sindical alegou ter sido manipulado por mais de 20 anos. Acrescentou possuir “entendimento limitado” e “baixo nível de instrução”. Tanto o documento quanto a nova versão dos fatos apresentada por Carvalho foram usadas pelo Sindicato Nacional dos Cegonheiros (Sinaceg) em denúncia protocolada no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) contra o jornalista Ivens Carús, editor do site Livre Concorrência, e outros representados. Não Funcionou. Vale a pena conferir as conclusões do Cade que fundamentaram o arquivamento da denúncia.

Sobre a mudança de discurso de Carvalho:

“Vale ressaltar que as informações apresentadas pelo representado Afonso Rodrigues de Carvalho neste PP contradizem frontalmente suas manifestações anteriores.”

Sobre a escritura pública:

“Novamente, ressalte-se que tal declaração [escritura pública] está inserida em um contexto em que o representado Afonso Rodrigues de Carvalho busca a extinção de punibilidade por falso testemunho e isenção de pena por calúnia e difamação por meio de retratação antes da sentença.”

E avança:

“Em linhas gerais, Afonso Rodrigues de Carvalho buscaria se retratar especialmente com pessoas físicas e jurídicas, especialmente ligadas aos grupos Sada e Tegma, e principalmente em relação a Vittorio Medioli, do grupo Sada.”

O Cade acrescenta:

“A escritura apresentada não substitui os termos de declarações e depoimentos apresentados perante autoridades.”

Antes do Cade, a Polícia Federal já manifestara que a mudança de depoimento do ex-líder sindical não comprometeria investigações.

Escritura
Para o Sinaceg, a escritura apresentada por Carvalho assume nítido caráter de confissão. Segundo a entidade, o documento comprova supostas infrações à ordem econômica e enseja a instauração imediata de processo administrativo pela Superintendência-Geral. O Sinaceg requer que o procedimento seja prontamente adotado, o que foi rejeitado pela autoridade antitruste.

Aqui vale lembrar que à época em que a denúncia do Sinaceg foi protocolada no Cade (2019), Carvalho ainda combatia o cartel dos cegonheiros. A mudança súbita de comportamento, amparada em acordo comercial com o dono da Sada, da Tegma e do próprio Sinaceg, ocorreu no início de 2021. Por causa disso aparece como representado na petição do Sinaceg. Soma-se a isso, o fato de o Sinaceg, que havia ajuizado queixa-crime contra Carvalho na comarca de Anápolis (GO), acabou desistindo do feito, cerca de um ano após o acordo comercial.

Com a mudança de posição, Carvalho não apenas deixou de criticar o cartel dos cegonheiros, mas virou todos os canhões disponíveis contra a Transportadora Gabardo, que o empregou por mais de 20 anos e contra o site Livre Concorrência, único canal do Brasil, especializado no noticiário sobre livre concorrência. Neste momento, Carvalho cumpre roteiro na Europa e na Ásia, onde promove uma campanha deflagrada para destruir a reputação da transportadora gaúcha. O roteiro dele foi divulgado em aplicativos de mensagens.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "Cade não reconhece teor de escritura pública amparada em acordo firmado entre ex-sindicalista e Vittorio Medioli"

  1. Luiz Carlos Bezerra disse:

    Pois é amigos que já leram muitas matérias anteriores.
    Essa pessoa não tinha baixa “Cultura”, ela tem é falta de “Caráter”, mesmo!
    Resolveu mudar de lado, e assim optou por atacar um cidadão de bem (O Sr. Sergio Gabardo), que foi seu patrão por longas datas e, pasmem, o considerava como um “Filho”, pois o que possuía foi assassinado, e nunca encontraram o real assassino.
    Como pode um cara desse, ter virado para o outro lado? É ou não é “Falta de Caráter”?
    Sendo assim, ele deveria estar é atrás das grades, também!
    Ponto final pra ele!

Os comentários estão encerrados