Cade poderá determinar que montadoras abram concorrência para escoar produção

O inquérito administrativo que investiga prática de infrações à ordem econômica – cartel – envolvendo o bilionário setor de transporte de veículos novos em todo o país já reuniu provas robustas da existência de conluio entre grandes grupos econômicos, o que impede a livre concorrência. O Cade também está de posse de documentos que mostram a ausência de concorrência, por parte de montadoras, nas contratações destinadas ao escoamento da produção.

De Brasília

Em nota técnica, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) determinou a prorrogação por mais 60 dias do inquérito administrativo que investiga prática de infrações à ordem econômica – formação de cartel – no bilionário setor de transporte de veículos novos em todo o país. Esta é a 23ª prorrogação, desde 2016. Um dos fundamentos utilizado pela autoridade antitruste para justificar a decisão desta semana ressaltou:

“Diante da suposta existência de cartel no setor de transportes de veículos novos em todo o país a Superintendência-Geral encaminhou ofícios para as montadoras de automóveis com plantas produtivas no território nacional, a fim de obter informações sobre o processo de contratação de serviços de transporte de veículos novos.”

Em outra decisão que arquivou denúncia de sham litigation, o Cade pontuou:

“A concorrência entre empresas de logística por contratos com montadoras de veículos não é apenas desejável, mas deveria ser a regra em um mercado concorrencialmente saudável, independentemente do seu modelo de negócios estar baseado em utilizar mão-de-obra empregada ou autônoma.”

No mesmo procedimento arquivado pela segunda vez, em abril deste ano, a autoridade antitruste diz ter comprovado a formação de cartel em processo anterior, arquivado sob a alegação de falta de provas suficientes:

“ 314 – Há forte conjunto probatório existente nos autos para comprovar o relevante papel do Sindicam [atual Sinaceg] na existência do cartel.”

No parecer do ProCade, naquele processo, segundo a autarquia, é destacado:

“… Está consignado que resta clara a existência do cartel das empresas de transporte associadas à ANTV, que possuem cegonheiros filiados ao Sindicam [atual Sinaceg] na qualidade de prestadores de serviço”.

Pelos documentos dos autos no inquérito em andamento, o Cade já sabe que das 16 montadoras inquiridas pelo órgão antitruste apenas duas delas e uma importadora (Caoa-Chery, Hyundai de Piracicaba e Kia) realizaram BID para selecionar transportadora de veículos ou operadora de logística nos últimos 10 anos. Outras cinco (BMW, Jeep, Volkswagen, Ford e Peugeot/Citröen) até tentaram, mas esbarraram na pressão ilegal imposta pelo cartel dos cegonheiros e suspenderam os certames ou não contrataram as vencedoras. O exemplo mais recente desse tipo de coerção desleal ocorreu com a BMW.

BMW/Mini (2023)
A BMW anunciou, em dezembro do ano passado, após realizar concorrência internacional, a contratação da Ceva Logistics (ex-Gefco) no lugar da Tegma Gestão Logística. Com a nova operadora, a Transportes Gabardo ficaria responsável pelo fretamento de veículos das marcas BMW e Mini. As duas empresas deveriam ter começado a operar em janeiro deste ano. Nada mudou até o momento e ninguém quer falar sobre o assunto.

Jeep (2022)
Pouco antes disso, a mesma Transportes Gabardo já havia sido afastada de outra montadora por causa da ação do cartel dos cegonheiros que concentra mais de 90% das cargas do setor. Em outubro do ano passado, a transportadora gaúcha foi impedida de carregar a totalidade dos veículos combinada da marca Jeep na fábrica instalada em Pernambuco com destino ao Chile por via terrestre. Áudios de cegonheiros (empresários) afirmavam que uma reunião da Sada Transportes e Armazenagens e a direção da então FCA-Fiat-Jeep em Betim (MG) ocorreu para impedir os carregamentos, o que se tornou realidade. O material chegou às mãos da autoridade antitruste.

Ford (2020)
Em 2020, tão logo anunciou o fechamento de sua fábrica em Camaçari (BA), a montadora Ford enviou correspondências eletrônicas chamando empresas interessadas no transporte dos seus veículos que passariam à condição de importados. Cinco dias depois do anúncio o certame denominado BID foi suspenso. Nesse episódio, a Transilva Logística só conseguiu realizar o transporte nas chamadas operações de porto, sob forte esquema de escolta policial, mas não foi autorizada a transportar os veículos da marca para a rede de concessionários.

Peugeot/Citroen (2018)
A possível contratação de transportadora não integrante do cartel por parte da montadora Peugeot/Citroen, em janeiro de 2018, causou revolta do grupo de empresários-cegonheiros responsáveis pelo escoamento da produção no Rio de Janeiro. Havia informações de que a BSM Transportes, que tinha sede em Guaíba (RS), e cujo um dos sócios era a própria Gefco, operadora de logística da montadora, assumiria o transporte das marcas francesas. Em menos de 72 horas, a montadora cedeu à pressão e cancelou a mudança nas operações.

Volkswagen (2017 e 2015)
Em dezembro de 2017, a Volkswagen deu início a um processo de BID. Ao tomar conhecimento, integrantes do chamado cartel dos cegonheiros se mobilizaram, paralisando todo o transporte de veículos produzidos pela fábrica em São Bernardo do Campo. A montadora ingressou com ação judicial para garantir o desbloqueio das dependências, o que foi concedido. A VW chegou a afirmar que, junto com sindicatos, incluindo o de cegonheiros, as atuais transportadoras – três do grupo Sada (Brazul, Transzero e Dacunha), além da Tegma e Transauto – estavam impedindo a montadora de buscar melhores condições técnicas e preços mais competitivos para o escoamento da produção (frete por caminhões cegonha). Menos de 24 horas após a concessão de medida liminar, no entanto, a VW anunciou acordo com os denunciados. Em 2015 – dois anos antes – a montadora realizou procedimento semelhante e também acabou recuando e cedendo a pressões.

Medo de fazer BID
Em 2019, a Nissan revelou ao Ministério Público do Rio de Janeiro – documentos foram enviado pelo MP ao Cade – os motivos pelos quais não fazia BID: temor não só “pelas cargas transportadas, como pela segurança dos seus colaboradores (trabalhadores da fábrica)”. A Nissan ainda informou que “o mercado de transporte de veículos novos é fechado, o que impede a contratação de novos agentes econômicos”. Nessa mesma época, a montadora declarou que havia contrato apenas com uma transportadora, a Brazul Transporte de Veículos, o qual encerraria em 31 de dezembro. A situação não se alterou.

Caso kia
Em 2016, foi a vez da importadora Kia Motors anunciar a contratação da Transilva Logística para o escoamento dos veículos chegados ao Brasil. Houve uma série de enfrentamentos, com o uso, inclusive, de incêndios criminosos. Quase uma dezena de caminhões da transportadora capixaba foram incendiados. Foras-da-lei chegaram a lançar bombas no showroom da Kia Motors na cidade de Itu (SP), causando prejuízos incalculáveis. Ninguém foi responsabilizado. Após a série de atentados violentos – denunciados em documento firmado pelo Sindicato dos Cegonheiros do Espírito Santo que chegou ao Cade por meio do editor do site Livre Concorrência (na época Anticartel) -, a autoridade antitruste decidiu pela instauração do inquérito em andamento. Kia e Transilva enfrentaram o cartel e o transporte continua regular com a empresa capixaba.

Corporação do atraso
O cartel dos cegonheiros não impede apenas a entrada de novos operadores no setor. A ação desse grupo – batizado de “corporação do atraso” por Luiz Nassif, então colunista de economia do jornal Folha de São Paulo – também inviabilizou o desenvolvimento da cabotagem no país. Pelo menos quatro montadoras (Fiat, Ford, General Motors e Volkswagen) tiveram de congelar os planos de transportar veículos novos em navios.

Em 1997, Nassif escreveu sobre a decisão da Fiat de começar a transportar para o Nordeste 800 veículos por semana em navios:

“A reação dos donos de caminhão foi um locaute nacional. Não queriam nem aumento de frete, mas apenas impedir a ampliação da cabotagem. Com a pressão, também conseguiram que a Volskwagen, Ford e General Motors reduzissem o transporte de cabotagem para 400 veículos semanais.”

O jornalista acrescentou:

“Os cegonheiros comportam-se como a corporação típica que, estando frente a mudanças inevitáveis, tentam conservar a ferro e fogo o antigo status quo. Melhor fariam entendendo, se adaptando e defendendo seus interesses dentro das regras dos novos tempos.”

O novo modal reduziria o preço do frete em 50%.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "Cade poderá determinar que montadoras abram concorrência para escoar produção"

  1. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

    MEUS NOBRES AMIGOS QUE SEMPRE ACOMPANHAM ESSAS MATÉRIAS DO PORTAL DA LIVRE CONCORRÊNCIA.
    NEM PRECISAMOS MAIS COMENTAR NADA!
    FIM DA LINHA PARA ESSA FACÇÃO CRIMINOSA, MAIS CONHECIDA COMO O CARTEL DOS CEGONHEIROS).
    RESPEITEM A LEI DA LIVRE CONCORRÊNCIA.
    PRA FRENTE BRASIL!

Os comentários estão encerrados