Cartel interrompe transporte de veículos nas fábricas da Volkswagen

O transporte de veículos produzidos nas três unidades da Volkswagen do Brasil, duas em São Paulo e uma no Paraná, está parado desde 29 de novembro. A assessoria de imprensa da montadora afirma que “está tudo normal”, mas o portal Livre Concorrência confirmou que nenhum caminhão-cegonha entrou ou saiu das fábricas nos últimos cinco dias. Um funcionário da Volks está usando o aplicativo WhatsApp para pedir às transportadoras que não mandem caminhões. Na mensagem, o interlocutor esclarece: “Está tudo parado. O pessoal do Sindicam está nos portões.”

A paralisação ocorre na fase final da cotação de preços (BID) realizada pela montadora para contratar novos transportadores. Os atuais prestadores de serviço recusam-se a perder cargas para empresas que não participam do esquema de alinhamento de preço nem de violações aos princípios da livre concorrência.

A subserviência da General Motors ao cartel foi um dos motivos que levaram a montadora norte-americana instalada no Brasil a ser condenada a pagar uma multa de R$ 250 milhões. O valor pode ser majorada para mais de R$ 1 bilhão no Tribunal Regional Federal da 4ª Região.

Condenados desafiam a Justiça
A interrupção do escoamento da produção da VW é orquestrada pelo Sindicam (agora Sinaceg), condenado pela Justiça Federal por formação de cartel no setor de transporte de veículos novos. A ação da entidade, considerada braço político do cartel que controle o setor, é um acinte à sentença condenatória de 1º grau.

Recursos estão tramitando no TR4 desde fevereiro deste ano. Ao lado da entidade, outro condenado em ação penal está a insuflar carreteiros no movimento: Aliberto Alves, ex-presidente do Sindicam, que em 13 de novembro participou de audiência em Porto Alegre visando à suspensão condicional do processo. A Justiça Federal o considera agressivo.

Usando a rede social do WhatsApp, o secretário-geral do Sinaceg, Douglas Santos Silva, convocou os associados para reunião na sede da entidade. Confira a mensagem abaixo:

4-de-dezembro-vw1-blog

Reunião foi realizada na sedo do Sinaceg
Segundo apurou o site Livre Concorrência, Aliberto Alves convocou a paralisação no encontro realizado na sede do Sinaceg. O réu processado e condenado por crime contra a economia e formação de cartel tentou ainda, em seu discurso, isentar o Sinaceg das ações deflagadas em 29 de novembro:

“Isso não tem nada a ver com o sindicato, é uma decisão dos carreteiros”.

Junto com outros executivos de transportadoras, Aliberto Alves também é réu em ação penal movida pelo Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) de São Bernardo do Campo, acusado de formação de cartel e de quadrilha.

Um ônibus do Sindicato dos Rodoviários está sendo usado na manifestação, na tentativa de ludibriar o Ministério Público Federal (MPF), autor da ação que condenou e proibiu o Sinaceg de atuar nesse tipo de situação em “qualquer outra montadora”, e não apenas nas plantas da General Motors.

4-de-dezembro-vw3_blog

Rede de boatos
Uma semana antes da paralisação do transporte de veículos novos na Volkswagen, entidades e empresas ligadas ao cartel promoveram campanha difamatória nas redes sociais. Por meio de mensagens e panfletos eletrônicos, empresários que não figuram no esquema de superfaturamento do valor dos fretes, foram os alvos da organização criminosa.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen