Condenação de Medioli a 5 anos e 5 meses de reclusão por evasão de divisas será julgada pelo TRF-1 na próxima segunda-feira (14)

Conforme foi antecipado pelo site Livre Concorrência, a apelação contra a sentença que condenou o proprietário do grupo Sada, Vittorio Medioli, a cinco anos e cinco meses de reclusão por crime contra o sistema financeiro nacional – evasão de divisas – será julgada na próxima segunda-feira (14). A sessão será virtual. O processo foi incluído na pauta da 4ª turma do Tribunal Federal Regional da 1ª Região, com sede em Brasília, pelo relator, desembargador federal Olindo Menezes. O comunicado de que o julgamento aconteceria “até dezembro” foi encaminhado em novembro ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) pelo vice-presidente no exercício da presidência do TRF-1, desembargador federal Francisco de Assis Beti. O recurso chegou à sede do Tribunal em 11 de maio de 2015.

Publicidade: confira aqui o conteúdo do site Debate Jurídico

O político (prefeito de Betim-MG) e empresário, que é apontado em outro inquérito da Polícia Federal como chefe de uma organização criminosa que atua no setor de transporte de veículos novos em todo o país, foi condenado ainda ao pagamento de multa, em sentença da juíza federal Rogéria Maria Castro Debelli, datada de 15 de janeiro de 2015. A ação foi movida pelo Ministério Público Federal. Medioli foi condenado pelo envio – e manutenção – de US$ 595 mil a um paraíso fiscal (Suíça ) sem comunicar as autoridades competentes. Ao aplicar a dosimetria da pena, a magistrada da Justiça Federal de Minas Gerais revelou o que levou em consideração para definir a pena:

“A natureza do crime e dos valores nele envolvidos, indicadores de sofisticação e pujança econômica do acusado.”

Emaranhado de acusações
Envolto num emaranhado de acusações, Medioli deverá enfrentar ainda o inquérito da Polícia Federal 277/2010 que atualmente está na comarca de Porto Alegre (RS). Depois de tramitar no Tribunal de Justiça de Minas Gerais, onde o político e empresário lutou para conquistar a prerrogativa de foro, mas não obteve êxito, a peça, por determinação do TJMG e respaldada pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), retomou à capital gaúcha para processamento e julgamento.

Em outra esfera, Medioli é réu em ação penal movida pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), em São Bernardo do Campo (SP). Junto com outros 11 réus, o político e empresário é acusado de formação de cartel e de associação criminosa, também envolvendo o setor de transporte de veículos novos (cartel dos cegonheiros).

No final do ano passado – outubro – empresas de Medioli, além da Tegma Gestão Logística, sofreram devassa da Polícia Federal que deflagrou a Operação Pacto. Em parceria com o Gaeco e o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), policiais federais realizaram buscas e apreensões nas sedes das empresas. Também receberam a visita da PF, a Transcar e o Sindicato dos Cegonheiros do Espírito Santo (Sintraveic-ES). No centro das apurações, mais uma vez, o setor de transporte de veículos novos.

Na esfera administrativa, Medioli enfrenta nova acusação. O inquérito administrativo que tramita no Cade desde 2016 teve origem na acusação do Sintraveic-ES que envolveu mais uma empresa de propriedade do político e empresário, a Brazul Transporte de Veículos. Consta nos autos que integrantes da entidade patronal teriam recebido benesses das empresas, Tegma, Brazul e Transcar, em troca da realização de manifestações violentas contra transportadoras concorrentes.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "Condenação de Medioli a 5 anos e 5 meses de reclusão por evasão de divisas será julgada pelo TRF-1 na próxima segunda-feira (14)"

  1. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

    AGORA SIM, NOBRES LEITORES DESSE BRILHANTE PORTAL, QUE NÃO SÃO FILIADOS A ESSE CARTEL MALÍGNO, QUE DOMINA O MERCADO DE TRANSPORTE DE VEÍCULOS NOVOS, FABRICADOS NESSE NOSSO PAÍS HÁ TANTOS ANOS, SOB O COMANDO DESSE MELIANTE, EMPRESÁRIO, ITALIANO E REELEITO PREFEITO DE BETIM (AO QUAL NEM PODERIA TER CONCORRIDO).
    TODOS ESSES FATOS JÁ FORAM DEVIDAMENTE INVESTIGADOS ANTERIORMENTE, COMO CITA A MATÉRIA ACIMA E, JÁ TENDO SIDO CONDENADO, DEVERIA ESTAR PRESO DESDE ENTÃO!
    EVASÃO DE DIVISAS É CRIME FEDERAL E, SENDO ASSIM, NEM PODERIA TER HAVIDO RECURSOS DE EMBARGOS. CERTO?
    ATÉ QUE EM FIM, AS CITADAS AÇÕES AGORA SERÃO JULGADAS E ESPERAMOS QUE ELE SEJA DEVIDAMENTE PUNIDO, JUNTAMENTE COM SEUS COMPARSAS, IMEDIATAMENTE!
    O BRASIL AGORA ENCONTRA-SE SOB NOVA DIREÇÃO FEDERAL E, SENDO ASSIM, NÃO EXISTINDO MAIS A POSSIBILIDADE DE HAVER CORRUPÇÕES, ESPERAMOS QUE AS LEIS SEJAM REALMENTE CUMPRIDAS.
    A PERGUNTA QUE FAÇO E JÁ FIZ ANTERIORMENTE, É A SEGUINTE: – SERÁ QUE UM CIDADÃO BRASILEIRO, CONSEGUIRIA PROSPERAR NA ITÁLIA, PRATICANDO A METADE DOS CRIMES QUE ESSE MELIANTE COMETEU EM NOSSO PAÍS?
    CERTAMENTE JÁ TERIA SIDO PRESO APÓS A PRIMEIRA ACUSAÇÃO AFIM, E FICARIA PRESO ATÉ QUE O BRASIL SOLICITASSE A SUA DEPORTAÇÃO, APÓS TER DEVOLVIDO TUDO QUE TERIA ROUBADO DO CITADO PAÍS. CONCORDAM?
    CAROS LEITORES. CONCORDANDO OU NÃO COMIGO, CITEM SEUS COMENTÁRIOS TAMBÉM, POIS EU NÃO SOU DONO DA VERDADE.
    OS VERDADEIROS DONOS, SÃO OS INVESTIGADORES E JURISTAS.
    CERTAMENTE O PORTAL OS AGRADECERÃO!
    QUE DEUS SEJA LOUVADO!
    CUMPRAM-SE AS LEI!
    DOA A QUEM DOER!

Os comentários estão encerrados