Condenados propõem pagar R$ 190,8 mil para se livrar de penas

A defesa dos condenados por crime de formação de cartel no setor de transporte de veículos novos no País ofereceu na audiência dessa segunda-feira (29) pagar prestação pecuniária de R$ 190,8 mil, equivalente a 200 salários mínimos, para os réus Aliberto Alves (ex-presidente do Sindicato dos Cegonheiros de São Paulo – atual Sinaceg) e Paulo Roberto Guedes (ex-presidente da Associação das Empresas Transportadoras de Veículos – ANTV) livrarem-se das penas impostas pela Justiça Federal em 2006.

Advogados também querem, em contrapartida, a redução do prazo de suspensão condicional do processo de quatro para dois anos. A proposta só surgiu depois de o juiz federal Adel Americo Dias de Oliveira afirmar que não faria nova audiência para buscar acordo entre os condenados e o Ministério Público Federal (MPF), autor da ação penal. O magistrado deixou claro que o processo, ajuizado em 2003, está tramitando há muito tempo.

Dezesseis advogados para três réus do cartel
O terceiro condenado na mesma ação penal, Luiz Moan Yabiku Júnior, ex-diretor para assuntos institucionais da General Motors do Brasil (GMB), não compareceu porque não foi citado por oficiais de Justiça a tempo. A defesa, no entanto, conseguiu do titular da 22ª Vara Criminal de Porto Alegre prazo de dez dias para apresentar manifestação em juízo. É o tempo que o titular da ação no MPF, procurador da República Felipe Souza, terá para dizer à Justiça se concorda ou não com a contraproposta dos condenados. Ao todo, 16 advogados representam os três réus. Luiz Moan (6), Paulo Guedes (6)  e Aliberto Alves (4). Cinco deles participaram da audiência.

  • Confira a proposta original do MPF
  1. Pagamento de prestação pecuniária de R$ 173 mil;
  2. Prazo de suspensão condicional do processo de quatro anos;
  3. Apresentação bimestral à justiça para informar endereço e atividades profissionais
  4. Os condenados também ficam impedidos de se ausentar da comarca por mais de 30 dias, sem autorização judicial.

Pela petição anterior firmada pelo procurador Felipe Souza, o órgão ministerial não abre mão das demais imposições. O que poderá ser alterado é a redução do prazo de suspensão, de quatro para dois anos. As demais obrigações deverão permanecer inalteradas.

Execução da sentença
No caso de o MPF não concordar com a contraproposta dos condenados, caberá ao juiz Adel de Oliveira encaminhar a ação penal para o Tribunal Regional Federal da 4ª Região, a fim de que os desembargadores se manifestem a respeito da possível prescrição das penas. No caso do TRF4 entender que não há prescrição, o MPF irá exigir a execução das penas.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "Condenados propõem pagar R$ 190,8 mil para se livrar de penas"

  1. Luiz Carlos Bezerra disse:

    O QUE EU NÃO CONSIGO ENTENDER É O SEGUINTE: SE O MPF MANDOU FECHAR O SINDICAM, POR INEXIGIBILIDADE? POR QUE O SINACEG CONTINUA ABERTO, SE INCORREM NA MESMA ILEGALIDADE.
    SI – SINDICATO / NA – NACIONAL / CEG – CEGONHEIROS. SINDICATO NACIONAL É INCONSTITUCIONAL, NÃO TEM PODER A NIVEL NACIONAL, SÓ PODERIA ATUAR COMO ESTADUAL. E OS DIRIGENTES SÃO OS MESMOS DO SINDICAM. AINDA ASSIM, CONTINUAM AFIRMANDO QUE NÃO SE TRATA DE CARTEL!!! PIADA!!!

Os comentários estão encerrados