Conversa gravada na Tegma revela que comércio de vagas é gestado na sede do Sindicato Nacional dos Cegonheiros

A gravação de diálogo mantido entre três funcionários da Tegma e um diretor do Sindicato Nacional dos Cegonheiros (SInaceg) indica que os contratos de aluguel de frotas são redigidos na sede da entidade patronal. Em pelo menos um dos casos o documento é validado pela Tegma Gestão Logística, apesar de não possuir assinatura dos envolvidos.

De São Paulo

A maratona de Karla Cristina Cavalcante dos Santos para reaver os bens de seu pai – o cegonheiro-empresário Abnago Gomes dos Santos (foto de abertura), falecido em agosto de 2013 – está confirmando a conclusão a que chegou a Polícia Federal ao analisar a farta documentação apreendida durante a Operação Pacto (deflagrada em 17 de outubro de 2019). Dessa análise, policiais federais deixaram claro “o quão é promíscua a relação entre empresas de transporte de carros zero-quilômetro (cegonheiros)”. Aos poucos, novas revelações vão surgindo, mostrando que essa relação envolve também o Sindicato Nacional dos Cegonheiros (Sinaceg) e novamente a empresa Tegma Gestão Logística, alcançando o chamado comércio ilegal de vagas de transportador, estimada atualmente em cerca de R$ 3 milhões cada uma. Caso emblemático é confidenciado por funcionários da transportadora, em gravação de conversa na sede da empresa, sem o conhecimento dos demais interlocutores envolvendo um contrato que sequer possui assinatura, mas que está em pleno vigor.

A gravação que o site Livre Concorrência teve acesso com exclusividade foi transformada em ata notarial há seis anos e ocorreu na sede da Tegma em São Bernardo do Campo (SP). Produzida por Karla Santos, sem o conhecimento dos demais interlocutores – o que é aceito como prova lícita, inclusive pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) e Supremo Tribunal Federal (STF). Participaram da reunião, além da inventariante, os funcionários da transportadora (à época), identificados como Enésio, Ilma e Nilson. Durante o desenrolar da conversa, Enésio solicitou o comparecimento de Douglas Santos Silva, então diretor do Sinaceg. Atualmente, ele responde pelo cargo de vice-presidente. A presença dele foi requerida como tentativa de buscar uma solução para o assunto levado ao conhecimento da empresa pela inventariante que envolve três vagas de transportador agregado, avaliadas em cerca de R$ 9 milhões.

Segundo consta na ata notarial, Karla tenta ter acesso a cópias de documentos em poder da Tegma para juntar aos autos do processo de inventário. No entanto, a funcionária chamada Ilma argumenta que “não pode dar cópia do contrato porque ninguém assinou”. Ao ser argumentada a respeito do aluguel de frota, Ilma volta a referir que os “negócios são feitos entre frotas, não tem contrato, a única coisa que tem aqui é que foi transferida”. Uma das três frotas teria sido alugada, mas ninguém encontrou o documento que “legalizaria” a operação.

Outro funcionário denominado Enésio, acrescenta:

“É o seguinte, a gente não dá informação. A questão é que nós temos o envolvimento do setor e não é só a Tegma que não cede, mesmo você indo brigar.”

Na conversa, Ilma ressalta:

“Esse contrato tem uma cláusula lá embaixo, mas é do sindicato. Esse documento foi feito dentro do sindicato.”

Para o funcionário Nilson, “esse contrato aqui nem tá reconhecido a firma”.

Enésio complementa:

“O sindicato vai ver o que fazer.”

E vai mais longe:

“Na verdade, é o seguinte, é tudo em conjunto com a gente e com o sindicato, vamos dizer assim. Quem vai poder dar o andamento nisso, porque são um grupo meio fechado, a senhora sabe melhor do que eu…”

Ilma acrescenta:

“Vaga não tem valor. Não pode ir pra justiça.”

Enésio volta a referir:

“É bom que seja alguém de uma instituição por fora… dentro de um conteúdo não se fala em abrir lá fora. Ele tem que saber (referindo-se ao irmão do falecido) da gravidade desse contrato que ele assinou através do próprio sindicato.”

Em determinado momento da reunião, Ilma pede para que Douglas seja chamado. Na sequência, o dirigente do Sinaceg chega ao encontro.

Ilma diz:

“Senta aí, douglinhas…”

Possivelmente referindo-se ao valor da venda de vaga ou do aluguel, Douglas argumenta:

“Tem que saber o valor, insiste.”

A reportagem tentou ouvir a versão da Tegma Gestão Logística, mas até o fechamento da edição não recebeu retorno da correspondência eletrônica encaminhada à pessoa responsável pela Assessoria de Imprensa da empresa.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "Conversa gravada na Tegma revela que comércio de vagas é gestado na sede do Sindicato Nacional dos Cegonheiros"

  1. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

    COMO PODE SER VERIFICADO, TUDO NÃO PASSOU SE SER UMA FARSA DESCABIDA E INCONSTITUCIONAL.
    NENHUM SINDICATO DE CLASSE, PODE ATUAR EM OUTROS ESTADOS DA FEDERAÇÃO, QUE NÃO SEJAM OS DE SUA ORIGEM. SENDO ASSIM, ATÉ O NOME DESSE SINDICATO (SINACEG, COMO SENDO “NACIONAL”, JÁ CARACTERIZA UMA GRANDE FARSA, PARA ILUDIR AS TRANSPORTADORAS, QUE DESCONHECEM ESSA DETERMINAÇÃO LEGAL).
    ESSA TRANSPORTADORA “TEGMA” (QUE É ALEMÃ), FAZ PARTE DO CARTEL DOS CEGONHEIROS, LIDERADO PELO SR. VITTORIO MEDIOLI (QUE TAMBÉM É UM INDIVÍDUO ITALIANO, INFILTRADO NO BRASIL E AINDA SER PREFEITO DE BETIM – MUNICÍPIO MINEIRO), NA MINHA OPINIÃO, NEM PODERIA OCUPAR ESSA CADEIRA POLÍTICA, NO NOSSO PAÍS.
    ESTÁ TUDO ERRADO MESMO!
    ESSA FACÇÃO CRIMINOSA (CARTEL DOS CEGONHEIROS), SEMPRE ATUOU E ATUA ATÉ OS DIAS DE HOJE, COM “MÃOS DE FERRO”, CONTRA AS DEMAIS TRANSPORTADORAS CONCORRENTES, PROIBINDO AS MESMAS DE OPERAREM NESSES TRANSPORTES. UM VERDADEIRO ABSURDO!
    A NOSSA JUSTIÇA JÁ DEVERIA TER EXTINTO TODOS OS ALVARÁS DE FUNCIONAMENTO DESSAS TRANSPORTADORAS, HÁ MUITO TEMPO, POIS SÓ ASSIM ESSE CARTEL DEIXARIA DE EXISTIR. NÃO É MESMO?
    A LEI DA “LIVRE CONCORRÊNCIA”, NUNCA FOI RESPEITADA, COM RELAÇÃO A ESSAS PROFISSÕES REFERENTES AOS TRANSPORTES DE VEÍCULOS ZERO KM. O QUE CARACTERIZA “CRIME FEDERAL”, SEM DIREITO A EMBARGOS E PERDÕES!
    SENDO ASSIM, SRS. JUÍZES, CUMPRAM AS NOSSAS LEIS, IMEDIATAMENTE!
    NADA MAIS A COMENTAR!

Os comentários estão encerrados