Covid-19 obriga sindicatos subordinados à organização criminosa a oferecer descontos nas mensalidades

Mesmo com queda de 90% das vendas de carros novos registrada na última semana de março, em relação aos vinte primeiros dias do mês, o Sindicato Nacional dos Cegonheiros (Sinaceg), condenado na Justiça Federal do Rio Grande do Sul por formação de cartel, anunciou desconto de apenas 20% na mensalidade dos associados da entidade paulista que se autointitula nacional. A redução vale por três meses e passa a vigorar somente a partir de 30 de abril. O tombo nos emplacamentos foi revelado pelos repórteres Gabriel Aguiar e Henrique Rodriguez, em matéria publicada no site da Revista Quatro Rodas.
O levantamento baseia-se nos emplacamentos dos 20 modelos mais vendidos no país. Os dados, divulgados pela Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos automotores), mostram um dos efeitos da pandemia de Covid-19 na indústria automobilística. Antes da queda nas vendas, resultante do fechamento das concessionárias, o setor já havia sido atingido em cheio pela paralisação das linhas de montagens das montadoras. A data para o retorno das atividades ainda é incerta.
A mensalidade paga a sindicatos por empresários que transportam veículos novos é uma das formas usadas pelo cartel dos cegonheiros para financiar a organização criminosa que controla o setor. Bastante comum um empresário de caminhão-cegonha contribuir para vários sindicatos. São essas agremiações que ajudam a viabilizar a comercialização de vagas (outra forma de financiar o esquema) para quem deseja trabalhar nesse mercado. Também organizam as filas dos carregamentos nas grandes transportadoras.
Os sindicatos – sobretudo o Sinaceg, cuja função é alinhar ações de outras entidades espalhadas pelo Brasil – são braços políticos e operacionais fomentados principalmente pelos grupos Sada e Tegma, que dominam o segmento, conforme investigações realizadas pelo Ministério Público Federal e Polícia Federal.
Por meio de comunicado aos associados, o Sinaceg explicou que não poderia zerar as mensalidades por conta dos custos fixos da entidade, como funcionários e departamento jurídico. Isso é verdade. O departamento jurídico está trabalhando a todo vapor. Na quinta-feira, 2 de abril, quatro advogados do Sinaceg participaram de reunião (ainda é preciso confirmar se o assunto foi tratado por videoconferência) com o conselheiro do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), Maurício Oscar Bandeira Maia. A pauta era para discutir um procedimento preparatório de inquérito administrativo que, segundo consta, foi arquivado intempestiva e erroneamente pela superintendência-geral do órgão antitruste.
O Sinaceg não se manifestou sobre outra cobrança – aquela referente à cobertura dos prejuízos causados por incêndios criminosos (foto de abertura) que destruíram 25 caminhões-cegonha e 85 veículos novos na última semana de fevereiro deste ano. A entidade assumiu a responsabilidade de arrecadar R$ 7,4 milhões de 3.700 frotas, que contribuirão com R$ 2 mil cada uma.
Sinaceg no comando
Sindicatos do setor de transporte de veículos novos subordinados ao Sinaceg também divulgaram tabela de descontos logo após a manifestação da entidade paulista. Até o presidente do Sindicato dos Cegonheiros do Rio Grande do Sul (Sintrav-RS), Jefferson de Souza Casagrande, que nega qualquer dependência em relação ao Sinaceg, disse que consultaria os colegas de São Paulo sobre como proceder com os descontos:

“Nós vamos saber disso na terça-feira, porque não parou o carregamento do pessoal da JSL. Não tenho nada concreto. Eu também estou me informando com o pessoal de São Paulo para saber se eles vão fazer, ou não, a cobrança sindical. Estou vendo com os sindicatos.”

Poucos dias depois anunciou por via eletrônica:

Se não houver carregamento, isenção total. Com carregamento, o desconto na mensalidade será de 50%.

Não foi informada a duração da medida. Ele disse que não tem como estimar por quanto tempo os descontos valerão, porque a produção pode voltar a qualquer momento.
No Sintravam (Paraná) – mais nova entidade regional cooptada pelo Sinaceg – e no Sintraveic (Espírito Santo), os descontos serão de 25%, por um período de três meses.
No Rio de Janeiro, o Sintrav oferecerá redução de 18% na mensalidade por dois meses. Em Jacareí, no interior de São Paulo, onde está a fábrica da Caoa-Chery, o sindicato da região suspenderá a cobrança de mensalidades nos meses de abril, maio e junho.
Fora do eixo do cartel
O presidente do Sindicato dos Cegonheiros de Goiás (Sintrave-GO), Afonso Rodrigues, muito antes de o cartel anunciar os descontos, já havia liberado os carreteiros da entidade goiana do pagamento total das mensalidades referentes aos meses de março e abril. Magayver, como é conhecido, notabiliza-se por ser um dos maiores críticos ao cartel do cegonheiros.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "Covid-19 obriga sindicatos subordinados à organização criminosa a oferecer descontos nas mensalidades"

  1. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

    MEUS PREZADOS AMIGOS QUE LEEM ESTE PORTAL, QUE INSISTO EM AFIRMAR A SUA INTEGRIDADE LITERALMENTE LÍCITA. PARABÉNS!
    QUANTO AOS SINDICATOS DE CATEGORIAS PROFISSIONAIS EXISTENTES NESSE NOSSO PAÍS, TODOS (OU QUASE TODOS), DEVERIAM SER MUITO RESPEITADOS SIM. DESDE QUE SIGAM AS LEIS CONSTITUCIONAIS EM VIGOR, COM AS SUAS ATUAÇÕES “EXCLUSIVAS”, NOS SEUS ESTADOS DE ORIGENS! ISSO É UM FATO, MAS INFELIZMENTE NÃO É O QUE OCORRE NESSE DENOMINADO “SINACEG”, QUE FOI CRIADO PARA SUBSTITUIÇÃO DO “SINDICAM” (EXTINTO POR ORDEM JUDICIAL, ONDE ELES ATUAVAM SEMPRE COM A SUA FINALIDADE “NACIONAL’, O QUE CARACTERIZAVA COMO UMA FARSA CRIMINOSA),
    POR SER UM SINDICATO DE CLASSE, NÃO, MAS POR FAZER PARTE INTEGRANTE, TENDO SIDO COOPTADO PELO CARTEL DOS CEGONHEIROS, DOMINADO PELAS TRANSPORTADORAS “SADA” E “TEGMA”, BEM COMO OUTRAS PERTENCENTES AO LÍDER DA ORGANIZAÇÃO, QUE TAMBÉM É O PROPRIETÁRIO DA “SADA”. UM CRIME INCONSTITUCIONAL!
    JÁ FORAM APONTADOS NESSE PORTAL, SÉRIOS CRIMES, QUE INVESTIGADOS PELOS ÓRGÃOS COMPETENTES, HÁ TANTOS ANOS, ESSE SINDICATO TAMBÉM JÁ DEVERIA TER SIDO DEVIDAMENTE EXTINTO.
    AGORA, DEVIDO AO CAOS DO COVID-19, APLICAM O DESCONTO NAS MENSALIDADES (CONSTITUCIONAIS), DE SEUS ASSOCIADOS, PARA CONTINUAREM ENGANANDO AS DEMAIS INSTITUIÇÕES; CONFORME CITADO ACIMA.
    OS SINDICATOS CITADOS ACIMA, TAMBÉM VINCULADOS AO SINACEG (POIS SÃO COMANDADOS SOB SUAS ORDENS), TAMBÉM DEVERIAM SER EXTINTOS!
    ATÉ ONDE ESSA FARSA VAI PERDURAR EM NOSSO PAÍS?
    OS PREJUÍZOS CAUSADOS AOS CONSUMIDORES FINAIS, QUE ADQUIRIRAM E ADQUIREM ATÉ HOJE, SEUS VEÍCULOS ZERO KM), JAMAIS SERÃO RECUPERADOS, JÁ QUE AS MONTADORAS (TAMBÉM COOPTADAS), OBRIGARAM E OBRIGAM AS CONCESSIONÁRIAS A SUPERFATURAR OS PREÇOS FINAIS DOS VEÍCULOS, ENTÃO VENDIDOS, PARA NÃO TEREM PREJUÍZOS FINANCEIROS, QUANDO ELEVARAM E ELEVAM OS VALORES DOS FRETES (TAMBÉM SUPERFATURADOS), PAGOS AO CITADO CARTEL.
    CUMPRAM-SE AS LEIS!

Os comentários estão encerrados