Crítico do cartel dos cegonheiros, sindicalista reúne provas e denuncia corrupção no Ministério do Trabalho

A partir de revelações do presidente do Sindicato dos Cegonheiros de Goiás (Sintrave-GO), Afonso Rodrigues de Carvalho, um esquema de venda de registros sindicais no Ministério do Trabalho começou a ser investigado há cerca de doze meses. Na semana passada, em 30 de maio, a Polícia Federal prendeu servidores públicos e vasculhou os gabinetes dos deputado Jovair Arantes (PTB-GO), Wilson Filho (PTB-PB) e Paulinho da Força (Solidariedade-SP). O ministro Edson Fachin (do STF) também autorizou busca na casa do presidente nacional do PTB, o ex-deputado Roberto Jeferson, condenado no escândalo do mensalão por lavagem de dinheiro e corrupção passiva. Os agentes buscavam evidências que reforçassem o vínculo de lobistas, advogados, dirigentes de centrais sindicais e parlamentares na fraude.

A apuração da PF foi revelada pela Revista Veja em março, em reportagem de capa, intitulada “A farra continua”. O texto mostra os caminhos escusos que se apresentaram para o sindicalista obter o registro no Ministério do Trabalho para oficializar a entidade que preside. O processo estava parado havia cinco anos. Lobistas prometeram resolver rapidamente o problema, mediante o pagamento de R$ 4 milhões em propina.

Evidências e comando identificado
A partir daí, Magayver, como Afonso é conhecido entre os cegonheiros, não só teve a coragem de denunciar o esquema, mas também reuniu evidências por meio de “ação controlada”. Gravou conversas, pagou propina com cheques pré-datados e solicitou provas de que o registro sairia de fato. Após pagar a propina, o sindicalista foi colocado em contato com o núcleo político do esquema, representado por Rogério Arantes, sobrinho do deputado Jovair. Este acionou o seu primo Leonardo Arantes, atual número 2 do Ministério do Trabalho.

Magayver identificou e gravou a cadeia de comando do esquema. A Polícia Federal aprofundou a investigação e chegou a outras casos de fraude no processo de registro sindical. Na última semana, a revista Veja voltou ao tema, com o título “A farra terminou”. A operação Registro Espúrio foi detalhada na última edição da revista. Ao todo, 320 policiais federais cumpriram 64 mandados de busca e apreensão, oito mandados de prisão preventiva e 15 mandados de prisão temporária no Distrito Federal, São Paulo, Goiás, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Paraná, Santa Catarina e Minas Gerais.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "Crítico do cartel dos cegonheiros, sindicalista reúne provas e denuncia corrupção no Ministério do Trabalho"

  1. Luiz Carlos Bezerra disse:

    ÓTIMO AMIGOS LEITORES!!! AGORA BASTA OS JURÍDICOS TOMAREM AS SUAS PROVIDÊNCIAS FINAIS, PARA PUNIREM DE VEZ ESTA CORJA DE MARGINAIS, QUE PREJUDICARAM POR MUITOS ANOS O POVO BRASILEIRO E OS TRANSPORTADORES DE VEÍCULOS (PRINCIPALMENTE), OS QUAIS SÓ “LUTAM” POR SEUS DIREITOS LEGAIS, AMPARADOS POR LEI!
    O CARTEL MAFIOSO DESTA ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA, JÁ ENRIQUECERAM MUITO AO LONGO DESTES ANOS. PREJUDICARAM EM MUITO OS CONSUMIDORES FINAIS E O POVO BRASILEIRO.
    REALMENTE, A “FARRA ACABOU”!!! PRISÃO PARA OS RESPONSÁVEIS É MUITO POUCO!
    ELES TERÃO QUE DEVOLVER AOS COFRES PÚBLICOS TODOS OS RECURSOS FINANCEIROS ENTÃO DESVIADOS ATÉ HOJE!!!
    CONFIAMOS NO MPF E NA PF! BASTAM AGORA AS AÇÕES FINAIS, PARA SALVAR A LIVRE CONCORRÊNCIA!!!

Os comentários estão encerrados