CyberGaeco de Santa Catarina deflagra operação para desarticular organizações criminosas suspeitas de praticar 250 fraudes e de movimentar R$ 90 milhões

Apuração começou com a identificação dos principais números de telefone 0800 utilizados pelos grupos criminosos, que simulavam falsas centrais de atendimento de instituições financeiras. O golpe permitia aos criminosos controlar os celulares das vítimas e realizar a transferência ilícita de valores. Estima-se que os investigados movimentaram nos últimos dez anos mais de R$ 90 milhões em transações suspeitas.

De Santa Catarina

O Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco), por meio do Grupo de Investigação de Crimes Cibernéticos (CyberGaeco) deflagraram na manhã dessa quarta-feira (10) a Operação Mão Fantasma. Ao todo foram cumpridos 34 mandados de prisão preventiva e 73 de busca e apreensão com o objetivo de desartuicular três organizações criminosas de âmbito nacional especializadas em fraudes bancárias, especialmente na prática dos golpes conhecidos como “mão fantasma/acesso remoto” e “falsa central de atendimento”. Também participaram das diligências a Diretoria Estadual de Investigações Criminais (DEIC) e as Delegacias de Polícia Civil de Ascurra e Turvo.

Em Santa Catarina, foram cumpridos 32 mandados de prisão preventiva e 55 mandados de busca e apreensão, expedidos pelas Varas Regionais de Garantias de Rio do Sul/SC e de Blumenau/SC, oriundos da comarca de Ascurra, e 2 mandados de prisão preventiva e 18 mandados de busca e apreensão, expedidos pela Vara Única da Comarca de Turvo. A operação se estendeu aos estados de São Paulo, Paraná, Rio de Janeiro, Bahia, Paraíba e Ceará.

A primeira investigação, conduzida pela Delegacia de Polícia de Ascurra/SC e que contou com o apoio técnico do CyberGaeco teve início no final de 2022, após o registro de diversos boletins de ocorrência que relatavam a subtração de valores de contas bancárias por meio da instalação de aplicativos de gerenciamento remoto. O golpe permitia aos criminosos controlar os celulares das vítimas e realizar a transferência ilícita de valores.

O trabalho investigativo começou com a identificação dos principais números de telefone 0800 utilizados pelos grupos criminosos, que simulavam falsas centrais de atendimento de instituições financeiras.

Na sequência, foram identificados os suspeitos de operar essas falsas centrais e os demais integrantes dos grupos criminosos responsáveis por obter bases de dados de possíveis vítimas, disparar SMS falsos e criar contas correntes em nome de “laranjas” para recepcionar os valores ilegalmente obtidos.

Estima-se que os investigados subtraíram, no período investigado, mais de R$ 5 milhões de vítimas residentes em Santa Catarina.

Já a investigação conduzida pela Delegacia de Polícia de Turvo/SC, com apoio da DEIC, foi instaurada a partir de ocorrência registrada por uma idosa de 70 anos que, acreditando estar em contato com funcionários de uma instituição financeira, acabou sendo enganada, tendo realizado diversas transferências para os golpistas que lhe resultaram um prejuízo total de R$ 86,5 mil.

As três organizações criminosas são possivelmente responsáveis por pelo menos 255 furtos e estelionatos, mediante fraude cibernética, apenas no estado de Santa Catarina – mas as investigações apontam que há possíveis vítimas em todo o país. Ainda de acordo com as investigações, os grupos criminosos teriam possivelmente movimentado, nos últimos 10 (dez) anos, cerca de R$ 90 milhões em transações suspeitas.

Persecução Patrimonial

Além das prisões preventivas e buscas e apreensões, o Poder Judiciário também acolheu as representações da Polícia Civil e os requerimentos do Ministério Público, formulados por meio da Promotoria de Justiça da Comarca de Ascurra e da 2ª Promotoria de Justiça da Comarca de Turvo, e deferiu medidas assecuratórias de natureza criminal, incluindo o bloqueio de bens, valores e criptoativos de 44 pessoas físicas e jurídicas, a apreensão e o registro de indisponibilidade e restrição de transferência de veículos de luxo, com o objetivo de acautelar bens suficientes para dar início a processos de ressarcimento dos prejuízos experimentados pelas vítimas dos atos criminosos.

Auxiliaramm na execução das ordens judiciais as Polícia Civis dos estados de São Paulo, Paraná, Rio de Janeiro, Ceará e da Paraíba, bem como Gaeco e Ministério Público do estado da Bahia.

Operação “Mão Fantasma”

O nome da operação “Mão Fantasma” faz referência a uma das formas de atuação dos criminosos que, após receberem ligações das vítimas nas falsas centrais de atendimento, realizavam transferências de valores a partir dos próprios aparelhos das vítimas, sem que elas tivessem conhecimento ou expressassem consentimento em relação ao acesso indevido e criminoso aos seus dispositivos eletrônicos. (Com informações do MPSC)

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "CyberGaeco de Santa Catarina deflagra operação para desarticular organizações criminosas suspeitas de praticar 250 fraudes e de movimentar R$ 90 milhões"

  1. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

    OS CRIMINOSOS NÃO PARAM DE AGIR, PARA ASSIM DESTRUÍREM OS CIDADÃOS DE BEM DE NOSSA NAÇÃO BRASILEIRA.
    ESSES CRIMES DEVEM SER PUNIDOS SEM DIREITO A NENHUMA DEFESA MESMO, POIS SÃO ASSASSINOS QUE FAZEM DE TUDO PARA ROUBAREM O POVO BRASILEIRO.
    SENDO ASSIM, ALERTEM OS CIDADÃOS PARA QUE NÃO ATENDAM ESSAS LIGAÇÕES, DE FORMA ALGUMA, SRS. JUÍZES DESSAS CAUSAS!
    SALVEM A NOSSA PÁTRIA AMADA “BRASIL”!

Os comentários estão encerrados