Delegado Sanfurgo: “Se uma montadora escolhesse uma empresa fora desse cartel, ela era coagida com piquetes e queima de caminhões.”

Em entrevista coletiva concedida no final da manhã de quinta-feira, após a deflagração da primeira fase da Operação Pacto, o delegado da Polícia Federal Rodrigo Sanfurgo (foto de abertura), da Delegacia de Repressões a Crimes Fazendários em São Paulo, explicou como o cartel dos cegonheiros age para impedir a entrada de novas transportadoras no setor:

“Se uma montadora escolhesse uma empresa fora desse cartel, ela (a montadora) era coagida com piquetes e queima de caminhões. Essa coação tinha, muitas vezes, a participação de um sindicato de transportadores do Espirito Santo.”

Polícia Federal, Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco, órgão do Ministério Público de São Paulo) e Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) cumpriram mandados de buscas e apreensões em transportadoras dos grupos Sada e Tegma, além da Autoport*, que tem sede na Bahia. A ação foi realizada na manhã do dia 17. O objetivo da operação é ampliar as investigações sobre a organização criminosa conhecida por cartel dos cegonheiros.

Autoridades responsáveis pelas investigações afirmaram que pelo menos quatro grandes empresas e um sindicato de cegonheiros (do Espírito Santo) atuam com o propósito de impedir o ingresso de novos transportadores, transformando montadoras e concessionárias de veículos em reféns.

Violência é marca registrada dessa organização criminosa
O esquema funciona mediante divisão do mercado, fixação artificial de preço dos fretes acima dos valores praticados no mercado e eliminação da concorrência. A violência contra concorrentes é uma espécie de marca registrada dessa organização, conforme apurado em outros inquéritos abertos pela Polícia Federal.

A Operação Pacto revelou que o prejuízo causado pelo cartel aos consumidores é muito maior do que o Ministério Público Federal estimava. Em vez de 25%, o preço cobrado a mais das montadoras pode chegar a 40%. O percentual é repassado integralmente aos consumidores.

Ainda segundo os investigadores, a organização criminosa, apesar das iniciativas do Gaeco e do Cade, continua em plena atuação até hoje. A meta agora da força-tarefa é identificar a responsabilidade pormenorizada de cada pessoa física que deverá responder criminalmente por crimes contra a ordem econômica e associação criminosa. As penas, em caso de condenação, poderão chegar aos 13 anos de reclusão.

*Correção: A Autoport não foi alvo dos mandados de buscas e apreensões autorizados pela Justiça de São Paulo. A informação correta é que a Operação Pacto apreendeu documentos na sede uma transportadora no município de Simões Filho (BA). A Autoport tem sede em Vitória (ES). Confira aqui a errata.

 

 

 

 

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "Delegado Sanfurgo: “Se uma montadora escolhesse uma empresa fora desse cartel, ela era coagida com piquetes e queima de caminhões.”"

  1. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

    CERTAMENTE MEUS AMIGOS TRANSPORTADORES DE VEÍCULOS, NÃO VINCULADOS A ESTE CARTEL. TODOS OS FATOS ACIMA RELATADOS, SÃO FRUTOS DE INVESTIGAÇÕES DEVIDAMENTE CONDUZIDAS PELOS ÓRGÃOS COMPETENTES! HÁ VÁRIOS ANOS, O NOSSO PAÍS FOI SERIAMENTE MANIPULADO POR ESTES VÂNDALOS, E OS PREJUÍZOS SOMARAM CIFRAS INCALCULÁVEIS, PRINCIPALMENTE AOS CONSUMIDORES FINAIS, QUANDO ADQUIRIRAM SEUS VEÍCULOS NOVOS, BEM COMO AS DEMAIS TRANSPORTADORAS NÃO COOPTADAS AO MESMO!
    SENDO ASSIM, SÓ PODEMOS PARABENIZAR A ESTE PORTAL, QUE SÓ TRANSCREVE AS VERDADES DOS FATOS E, OS ÓRGÃOS FEDERAIS, POR DESMASCARAR DEFINITIVAMENTE ESTA ORGANIZAÇÃO MALÍGNA!
    QUE TODOS SEJAM SENTENCIADOS, NAS FORMAS DAS LEIS, SEM DIREITO A PONDERAÇÕES.
    AVANTE BRASIL!

Os comentários estão encerrados